OPA à TVI em risco de derrapar. Ainda falta ok da CMVM

Desde que Cofina e Prisa chegaram a acordo que ambas apontaram o fecho a operação até final de março. Mas o processo está a atrasar-se, não tendo sido ainda aprovado o prospeto do aumento de capital.

Foi no final de setembro que a Cofina chegou a acordo com a Prisa para comprar a Media Capital, depois de ter fracassado a tentativa feita, anos antes, pela Altice. Desde então, mesmo com todas as autorizações necessárias para a operação avançar, tanto a empresa liderada por Paulo Fernandes como os espanhóis agendaram para este primeiro trimestre a conclusão do negócio. Mas há o risco crescente de haver uma derrapagem, isto porque ainda não há “luz verde” da CMVM para o aumento de capital que tem de ser realizado antes da OPA.

A compra da dona da TVI pela detentora de títulos como o Correio da Manhã, Sábado ou Jornal de Negócios teve de passar pelo crivo dos reguladores, desde a Anacom à ERC, até chegar depois à Autoridade da Concorrência. Em todos eles, o processo de concentração foi validado, permitindo à Cofina avançar com o processo para o regulador do mercado, tanto para o reforço de capital que necessita para comprar a TVI por um valor de 205 milhões de euros, como para a posterior OPA que retirará os cerca de 5% do capital da Media Capital da Euronext Lisbon.

Já depois de entregue o anúncio preliminar de OPA à Media Capital, e tendo sido aprovado o aumento de capital em assembleia geral, a Cofina enviou para o regulador do mercado de capitais o prospeto do aumento de capital. Logo na altura em que anunciou a operação, revelou que 70% do valor já estava assegurado, tendo mais recentemente o Abanca anunciado publicamente que iria também participar, visando 10% do capital da empresa de media de Paulo Fernandes.

Este prospeto do aumento de capital está há 15 dias na CMVM sem que tenha sido dada ainda “luz verde”, sabe o ECO. O regulador, liderado por Gabriela Figueiredo Dias, tendo recebido o documento, pode colocar questões à parte interessada, o que pode arrastar o processo. É isso que estará na base da “demora” no “ok” ao prospeto. E isto porque este aumento de capital não é um fim em si, sendo o objetivo a obtenção de fundos para a posterior OPA.

A CMVM tem salientado a sua rapidez nestes processos, tendo mesmo conseguido dar uma resposta num prazo, “em média, de 3,9 dias úteis para prospetos de oferta pública de distribuição, incluindo ofertas de ações”. Este prazo refere-se, contudo, à primeira reação, podendo essa ser a de colocar questões, o que dilata o prazo. Questionada, a CMVM não faz qualquer comentário relativamente ao andamento do processo de aprovação do prospeto do aumento de capital. Fonte oficial da Cofina também não.

Esta “luz verde” terá de surgir rapidamente sob pena de o negócio derrapar. É que mesmo tendo a Cofina o processo de captação de fundos praticamente resolvido, será preciso ainda algum tempo para o processo com a compra em si. Depois do aumento de capital, o regulador terá também de aprovar o prospeto da OPA. Mesmo sendo mínimo o número de ações da Media Capital no mercado, haverá, como habitualmente, um período de cerca de duas semanas para que os investidores aceitem a OPA que, neste caso, é de 2,3336 euros por ação — mesmo que o auditor independente tenha apontado para apenas 1,90 euros.

Com este período para a OPA no mercado, a menos que a CMVM desbloqueie o processo na próxima semana, Paulo Fernandes arrisca a só conseguir selar o negócio de compra da TVI já à entrada do segundo trimestre. Pode haver uma “escorregadela” no calendário que tem reflexos no negócio, tendo em conta o contexto concorrencial que a estação de Queluz de Baixo enfrenta.

A TVI tem vindo a perder audiência para a SIC que completou recentemente 12 meses de liderança, apresentando um share já acima dos 20%. Esta perda de audiência permitiu à Cofina poupar 50 milhões no negócio com os espanhóis da Prisa — inicialmente a operação teria um custo global de 255 milhões, tendo baixado para 205 milhões –, mas a Cofina quer tomar as rédeas do negócio rapidamente, evitando uma deterioração adicional. Para ajudar a impulsionar a estação terá o Euro 2020 que a TVI garantiu junto da Sport TV.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPA à TVI em risco de derrapar. Ainda falta ok da CMVM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião