Governo vai fazer estudo para expansão da rede de metro no Grande Porto

  • Lusa
  • 15 Fevereiro 2020

Matos Fernandes revelou que o Governo vai fazer um estudo de procura para todas as linhas de metro e metro-bus que “potencialmente” poderão ser construídas no Grande Porto.

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, afirmou este sábado que o Governo irá fazer um estudo de procura para todas as linhas de metro e metro-bus que “potencialmente” poderão ser construídas no Grande Porto.

“A Área Metropolitana do Porto [AMP] pediu ao Governo, na sequência do desafio lançado por este para ser a AMP a decidir sobre as linhas de expansão, que a Metro do Porto, que já tem estudos de procura com datas e metodologias diferentes, fizesse um estudo de procura para todas as potenciais linhas que poderão vir a ser potencialmente construídas”, referiu, à margem da inauguração do parque fotovoltaico da Lipor – Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, em Gondomar, distrito do Porto.

Matos Fernandes disse ter acedido ao pedido da AMP, acrescentando que quem tem de se coordenar com as diferentes autarquias que a compõem é a AMP.

A resposta surge depois de o presidente da Câmara da Trofa, Sérgio Humberto, ter afirmado desconhecer o protocolo de expansão da rede do metro do Porto.

Já depois, o presidente da Área Metropolitana do Porto, Eduardo Vítor Rodrigues, desmentiu-o, afirmando ter enviado o documento a todos os municípios envolvidos.

Em declarações à Lusa, Sérgio Humberto assegurou desconhecer o conteúdo do protocolo de consolidação da expansão da rede, que vai ser assinado no dia 21, criticando o Governo e Eduardo Vítor Rodrigues.

“Vou estar presente, mas reajo com surpresa, porque isto nunca foi discutido na AMP, nem houve um acordo prévio que tenha envolvido todas as autarquias”, disse Sérgio Humberto, que admitiu a existência de “conversas e articulação com dois ou três presidentes de câmara” promovidas pelo “líder do Conselho Metropolitano”.

Reagindo às declarações de Sérgio Humberto, Eduardo Vítor Rodrigues fez chegar à Lusa a cópia do e-mail que, enquanto presidente da AMP, enviou aos autarcas envolvidos. Na missiva, informa que, na sequência do “repto lançado pelo ministro” do Ambiente, os oficiou “sobre a utilização dos 860 milhões de euros do Plano Nacional de Investimento para a expansão da rede do Metro, nos termos da carta anexa”.

Desses 860 milhões, 620 milhões destinam-se ao pagamento de novas linhas da Metro do Porto e 240 milhões destinam-se a soluções BTR/Metro-Bus”, refere o e-mail, indicando que “Vila Nova de Gaia é o único município que tem concursos públicos em curso para metro-bus, com orçamento exclusivamente municipal”.

“Mas todos os demais foram por mim convidados a estudar e propor soluções destas”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai fazer estudo para expansão da rede de metro no Grande Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião