Além de rico, Bezos quer ser filantropo. CEO da Amazon dá 10 mil milhões por ano para proteger a natureza

Foi na rede social Instagram que o CEO da Amazon anunciou a criação do seu Bezos Earth Fund, com uma dotaçao anual de 10 mil milhões anuais para combater as alterações climáticas.

O fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezos, anunciou na sua conta na rede social Instagram que vai criar o Bezos Earth Fund, com um valor de 10 mil milhões de euros por ano — menos de um décimo da sua riqueza total — para ajudar no combate às alterações climáticas a nível global.

Com uma fortuna avaliada em 114 mil milhões de dólares no ano passado (agora são já 129,9 mil milhões), de acordo com a revista Forbes, Bezos foi eleito como a pessoa mais rica nos Estados Unidos em 2019. No entanto, apesar da conta bancária recheada, Bezos não é propriamente famoso pelos seus gestos filantrópicos, de tal forma que nesta categoria de avaliação do ranking da Forbes o multimilionário não vai além de um 2 (numa escala de 1 a 5), situando-se na 188ª posição da lista dos maiores filantropos, no total dos 400 americanos mais ricos.

Bezos pode até ser oito mil milhões de dólares mais rico do que o fundados da Microsoft, Bill Gates, o segundo mais rico nos EUA (com 106 mil milhões), mas quando o tema é filantropia, Gates leva a medalha de ouro, com nota máxima (5) e o primeiro lugar na lista dos que mais têm “amor à humanidade” ou “contribuem generosamente para melhorar a situação dos homens”. Warren Buffett é o terceiro mais rico (80,8 mil milhões) e o segundo mais filantropo, seguido por Mark Zuckerberg, o quarta mais rico (69,6 mil milhões) e o terceiro no pódio da filantropia.

 

Para colmatar este “calcanhar de Aquiles”, o CEO Amazon (que viu a sua fortuna cair de 160 para 114 mil milhões de dólares entre 2018 e 2019, muito por conta do polémico divórcio de MacKenzie Bezos, com quem era casado há 25 anos) anunciou agora a sua decisão mais filantrópica até ao momento.

“Hoje, estou entusiasmado ao anunciar o lançamento do Bezos Earth Fund […] Para começar, vou dedicar 10 mil milhões de dólares a este fundo e no verão serão atribuídas as primeiras bolsas”, escreveu Bezos no Instagram. ⁣⁣⁣

“Esta iniciativa global irá financiar cientistas, ativistas, organizações não-governamentais — e qualquer esforço que permita uma real possibilidade de ajudar a preservar e a proteger a natureza”, acrescentou.

“As alterações climáticas são a maior ameaça ao nosso planeta. Quero trabalhar ao lado de outras pessoas para encontrar novas formas, e melhorar as já existentes, de combater o impacto devastador das alterações climáticas no nosso planeta, que todos partilhamos […] Podemos salvar a Terra. Vai exigir um esforço coletivo de grandes e pequenas empresas, nações, organizações globais e indivíduos […] A Terra é a única coisa que todos temos em comum — vamos protegê-la, juntos”, rematou, assinando “Jeff”.

Jeff Bezos fundo o colosso americano do e-commerce Amazon em 1994, na garagem de sua casa em Seattle. Mantém-se como CEO até hoje e detém 12% das ações da empresa. Antes de se divorciar de MacKenzie, em julho de 2019, Bezos tinha 16% da Amazon, mas teve de dar um quarto da posição acionista à ex-mulher, ou seja, 4%, o que fez dela uma das mulheres mais ricas do mundo, com entrada direta para o ranking da Forbes. Além de dono da Amazon, é proprietário do jornal The Washington Post e, na indústria aeronáutica, detém a Blue Origin, uma empresa que está a desenvolver um foguetão para uso comercial. Tem quatro filhos e é formado em Artes e Ciência pela Universidade de Princeton.

Em 1998 conheceu os fundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, tornando-se num dos primeiros investidores na empresa, com um investimento de 125 mil dólares.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Além de rico, Bezos quer ser filantropo. CEO da Amazon dá 10 mil milhões por ano para proteger a natureza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião