Nestas três aldeias portuguesas, o cowork é no meio da montanha

Uma escola primária, uma casa e um salão polivalente desocupados vão ganhar uma nova vida como espaços de cowork rurais, em três aldeias da Rede Aldeias de Montanha. No arranque será gratuito.

Em Lapa dos Dinheiros, será reaproveitada uma escola primária desocupada. Em Videmonte, uma casa. Em Alvoco das Várzeas um salão polivalente. Serão todos transformados em espaços de cowork rurais, um projeto financiado pelo Programa Juntar+, em resultado de uma candidatura submetida pelas juntas de freguesia, em parceria com a Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede de Aldeias de Montanha ADIRAM.

O objetivo é criar espaços de trabalho ou incubação de ideias em ambiente de aldeia e conjugar a conceção e design dos espaços com os princípios da economia circular e envolver as comunidades locais na sua materialização.

Numa primeira fase, a utilização destes espaços será gratuita, garante a ADIRAM, passando depois a ser cobrado um “pagamento simbólico”.

A população local será parte integrante do processo de reabilitação e cocriação destes espaços. Já a aproximação ao mercado potencial destes espaços de trabalho criativos, inusitados e inspiradores é feita por via da sua inclusão em plataformas nacionais e internacionais que disponibilizam experiências de trabalho assentes no conceito de coworking”, garante Francisco Rolo, presidente da direção da ADIRAM.

Aldeia de Videmonte, na Guarda.

“A adaptação destas infraestruturas a espaços de cowork, com incorporação de eco-design fortemente marcado pela identidade das Aldeias de Montanha, permite não só recuperar e dar função aos espaços para múltiplos fins no contexto comunitário das vivências das Aldeias, mas também possibilita a troca de experiências e conhecimentos entre as populações locais e freelancers ou nómadas digitais, que ali queiram ter experiências de trabalho temporárias”, refere a Associação de Desenvolvimento Integrado da Rede de Aldeias de Montanha, em comunicado.

Os coworks rurais vão ter wifi e tecnologia de ponta que permitem aos utilizadores trabalhar remotamente. Lapa dos Dinheiros tem fibra ótica e vai ser instalada em Alvoco da Várzeas e Videmonte. Os espaços de cowork deverão estar prontos até setembro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nestas três aldeias portuguesas, o cowork é no meio da montanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião