Ministro promete “transparência e rigor” em estudos de expansão do Metro do Porto

  • Lusa
  • 21 Fevereiro 2020

O ministro do Ambiente garantiu que os estudos sobre os futuros investimentos para a expansão do metro do Porto serão realizados “de forma completamente transparente e com o maior rigor técnico”.

O ministro do Ambiente garantiu esta sexta-feira aos autarcas da Área Metropolitana do Porto que os estudos para futuros investimentos no metro ou em linhas de metrobus vão ser feitos “de forma completamente transparente e com o maior rigor técnico”.

“É impensável que algum autarca venha a dizer que estão a fazer o trabalho e não nos mostram. A qualquer momento que o peçam, podem conhecer o trabalho”, disse o Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, em Gondomar, no distrito do Porto.

A garantia do governante não impediu a presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz (PS), de lamentar publicamente o protocolo “feito à pressa” e o autarca da Trofa, Sérgio Humberto, de lembrar aos jornalistas que a linha de metro daquele concelho já foi alvo dos “estudos todos”, sendo uma promessa do governo com 18 anos, feita por dali terem retirado a linha de comboio.

Quando discursava na cerimónia de assinatura do protocolo para o desenvolvimento dos estudos sobre linhas do Metro do Porto ou de metrobus, que devem estar concluídos dentro de 10 meses e vão servir de base às escolhas para um investimento total de cerca de 860 milhões de euros, Matos Fernandes destacou ainda as vantagens do sistema de metrobus.

“Entre o metro e o metrobus, desde o momento em que a Área Metropolitana do Porto (AMP) manifestou vontade de que sejam estudados em conjunto, tornam-se soluções muito próximas uma da outra. O metrobus pode ser, em tudo, semelhante ao metro que anda no carril, com a diferença que tem rodas de borracha”, observou.

O ministro frisou que o metrobus “é igualmente elétrico, tem um corredor dedicado” e, simultaneamente, “menos custos de infraestruturas” do que o metro sob carris.

De acordo com o ministro, permite ainda “raios de curvatura mais apertados” e para em vez de abrandar quando se carrega no travão, o que implica “menos necessidades de sinalização”.

Toda a situação pode ser muito mais simples”, vincou.

Matos Fernandes recordou que foi “há mais de um ano” que lançou “o desafio à AMP para que sejam as autarquias e AMP a definir os investimentos que querem fazer no metro ou no metrobus”.

O ministro destacou ainda a relevância de ser a empresa do Metro do Porto “a estudar, num só prazo, com uma metodologia uniforme, quais as perspetivas de procura, de sustentabilidade financeira e de viabilidade de construção” para as ligações em causa.

Para o autarca da Trofa, Sérgio Humberto, o estudo das sete linhas em causa no protocolo concluirá que só vai haver verba “para três” dos traçados.

Na sua perspetiva, o protocolo é uma forma de “atirar areia para os olhos” e “adiar uma vez mais o problema”.

“Não é preciso mais estudo nenhum. Já há projetos de execução, é só lançar o concurso. Saio daqui contente. Se o ministro do Ambiente e o presidente [da Metro do Porto] cumprirem a sua palavra, o metro até à Trofa vai ser uma realidade dentro de 10 meses”, disse, com assumida ironia.

O autarca notou que “a única linha que estava na primeira fase do Metro do Porto e não foi feita foi a da Trofa”.

“Há que honrar compromissos do Estado português para levar o metro até à Trofa. Não nos calamos. Vamos para a rua contestar o que nos é devido. Não pedimos para nos tirarem o comboio. Tiraram-nos o comboio com a promessa do metro”, lembrou, referindo-se à suspensão do serviço feita em 2002.

Garantindo que não se vai calar na reivindicação, Sérgio Humberto revelou também aos jornalistas estar a ser organizada uma manifestação para dia 15 de março, às 09:30, para exigir a ligação de metro ao concelho da Trofa.

O autarca criticou ainda que “nunca” os traçados incluídos no protocolo ou o tema da expansão do Metro do Porto tenha sido abordado nas reuniões da AMP.

Já Elisa Ferraz, presidente da Câmara de Vila do Conde, fez questão de alertar para o facto de não ter sido ouvida no âmbito do protocolo quando a chamaram para o assinar.“Vila do Conde foi chamado a assinar, mas não há uma única obra prevista para o meu concelho”, frisou.

No exterior, em declarações aos jornalistas, a presidente de Câmara lamentou que tenha sido feito “tudo à pressa”, explicando que deixou junto ao protocolo as reivindicações que pretende ver atendidas com os estudos, para dar resposta a necessidades do concelho.

O protocolo para consolidação da expansão da rede de metro no Grande Porto e metrobus foi assinado pelos municípios diretamente envolvidos nos estudos: Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa do Varzim, Trofa, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia.

Dos 860 milhões de euros em causa, cerca de 620 milhões de euros destinam-se à consolidação da rede do Metro do Porto e 240 milhões de euros para o desenvolvimento de sistemas de transportes coletivos, verbas que deverão ser executadas entre 2021 e 2030.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro promete “transparência e rigor” em estudos de expansão do Metro do Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião