PSD chama ministra por causa do sorteio de processos. Exige maior transparência na Justiça

O líder do PSD, Rui Rio, defende que é necessária maior transparência na Justiça. Para tal, aponta como solução uma reforma ao setor face aos supostos vícios na sorteio de processos.

Rui Rio garante que tem de existir uma maior transparência no poder judicial, no seguimento da constituição como arguido do ex-presidente do Tribunal da Relação, Vaz das Neves, no processo Operação Lex, situação que veio levantar dúvidas sobre o processo de sorteio de processos. Para tal, o presidente do PSD afirma que o meio para atingir essa transparência é através da “política” e das “leis“, segundo

“Depende do próprio poder político, mais do que do poder judicial [a transparência na Justiça]”, afirmou o presidente do PSD em declarações à SIC Notícias. “Aquilo que devemos garantir é uma maior transparência no poder judicial. E isso está do lado da política e das leis”, diz Rio, após classificar como “gravíssimo” o caso que envolve Vaz Neves.

O líder do PSD reclama ainda uma reforma na Justiça, pois só assim é possível garantir a “transparência” que exige. “Os indícios são graves e aquilo que nos compete ter é um sistema mais transparente possível. É tudo muito opaco no funcionamento da Justiça”, nota.

Rui Rio assegurou também que, face às supostas manipulações na distribuição de processos, compete ao sistema judicial “investigar” e “julgar”. Quer que “casos destes não existam nem se repitam”.

Questionado sobre qual o papel que a Ministra da Justiça tem de ter no processo de distribuição de juízes, Rui Rio defende que Francisca Van Dunem nada tem a ver com o caso, embora tenha chamado a ministra ao Parlamento. Para o social-democrata, a ministra é apenas “responsável pelo sistema e pela forma como ele funciona”, tendo de “garantir os meios adequados”.

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido, no processo Operação Lex, por suspeitas de envolvimento na distribuição de processos judiciais. A Operação Lex tem atualmente mais de uma dezena de arguidos, entre os quais o funcionário judicial do TRL Octávio Correia, o advogado Santos Martins, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e o antigo presidente da Federação Portuguesa de Futebol, João Rodrigues.

O processo Operação Lex foi conhecido a 30 de janeiro de 2018, quando foram detidas cinco pessoas e realizadas mais de 30 buscas. Esta investigação teve origem numa certidão extraída do processo Operação Rota do Atlântico, que envolveu o empresário de futebol José Veiga.

O caso Operação Lex está a ser investigado pela magistrada do Ministério Público junto do Supremo Tribunal de Justiça Maria José Morgado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD chama ministra por causa do sorteio de processos. Exige maior transparência na Justiça

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião