Solução da banca para a Efacec “não está fácil”

  • ECO
  • 21 Fevereiro 2020

"Não está fácil" ao sindicato bancário formado pelo BCP, Novo Banco, CGD fechar uma proposta de aquisição dos 70% de Isabel dos Santos na Efacec. A ideia é converter dívida em capital.

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos formaram um consórcio para comprar a posição de Isabel dos Santos (70%) na Efacec. Mas “não está fácil” ao sindicato bancário firmar uma proposta de aquisição que passa pela conversão de dívida em capital, avança esta sexta-feira o Jornal de Negócios (acesso pago) citando uma fonte próxima do processo.

A solução em cima da mesa visa dar capacidade decisória à equipa de gestão da Efacec assegurando a continuidade da empresa de forma a alienar posteriormente a posição a um investidor que garanta a continuidade da empresa.

A mesma fonte citada pelo Jornal de Negócios garante que o Governo está ativamente envolvido nesta solução bancária. Ao ECO, o Ministério da Economia disse que “naturalmente, o Governo está a acompanhar a situação [da Efacec] com interesse e atenção”. Já que “a Efacec é uma empresa muito importante, é uma empresa tecnologicamente muito sólida, essencial para o futuro da indústria portuguesa”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Solução da banca para a Efacec “não está fácil”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião