Confiança dos consumidores volta a cair em fevereiro. Clima económico estabiliza

  • Lusa
  • 27 Fevereiro 2020

A confiança dos consumidores portugueses caiu pelo 3.º mês consecutivo, com o contributo negativo das expectativas face à "situação económica do país e da realização de compras importantes".

A confiança dos consumidores voltou a cair em fevereiro, pelo terceiro mês consecutivo, enquanto o clima económico estabilizou, depois de aumentar em janeiro, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O inquérito de conjuntura do instituto aos consumidores revela que a confiança destes diminuiu nos últimos três meses, interrompendo o perfil ascendente que se registava desde abril.

A evolução do indicador em fevereiro, segundo o INE, resultou do contributo negativo das expectativas quanto à evolução da “situação económica do país e da realização de compras importantes”.

O instituto explica ainda que as opiniões sobre a evolução passada da situação financeira do agregado familiar contribuíram positivamente, enquanto as perspetivas relativas à evolução futura da situação financeira do agregado familiar registaram um contributo nulo.

“Sem a utilização de médias móveis de três meses, o indicador de confiança dos consumidores aumentou no mês de referência, devido sobretudo ao contributo positivo das expectativas relativas à evolução da situação financeira do agregado familiar”, afirma o INE.

O indicador de confiança dos consumidores é elaborado com base nas respostas a quatro perguntas aos agregados familiares, sobre a situação financeira nos últimos 12 meses e nos próximos 12 meses, a situação económica geral do país nos próximos 12 meses, e gastos esperados pelo agregado familiar para os próximos 12 meses com compras importantes, como mobiliário, eletrodomésticos ou computadores.

Também em fevereiro, segundo o INE, diminuíram os indicadores de confiança na indústria transformadora, no comércio e nos serviços, tendo aumentado na construção e obras públicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confiança dos consumidores volta a cair em fevereiro. Clima económico estabiliza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião