Um quinto das empresas portuguesas sente forte impacto do Covid-19

  • Lusa
  • 28 Fevereiro 2020

Um estudo realizado pela AEP junto de 200 empresas revela que são “cerca de um quinto as que mencionam um impacto negativo significativo ou muito significativo” na atividade devido ao Covid-19.

Um inquérito realizado a cerca de 200 associadas da AEP – Associação Empresarial de Portugal revelou que são “cerca de um quinto as que mencionam um impacto negativo significativo ou muito significativo” na sua atividade devido ao Covid-19.

Em comunicado, a associação indicou que via com “elevada preocupação os resultados do inquérito”, realizado entre quarta e quinta-feira.

“Apesar de mais de metade das empresas referirem não sentirem ainda um impacto negativo na sua atividade, são já cerca de um quinto as que mencionam um impacto negativo significativo ou muito significativo”, salientou a AEP.

No que diz respeito às perspetivas futuras, os empresários mostram-se “muito apreensivos, com praticamente metade a considerar que vai sofrer um impacto negativo, de forma significativa ou muito significativa, na sua atividade, e apenas 5% a considerar que não esperam ter qualquer impacto negativo”, sublinhou a AEP.

Segundo a associação, os principais obstáculos apontados pelos empresários são “as dificuldades de abastecimento no exterior, em particular de matérias-primas (sobretudo provenientes da China e de Itália), mas também de produtos”, além da “redução de encomendas”, e do “cancelamento ou adiamento de eventos internacionais”.

As empresas também estão preocupadas com “as dificuldades de viagens, o fecho de fábricas de tecnologia e, de um modo mais transversal, a situação de abrandamento económico”, segundo os resultados do inquérito.

As inquiridas registam ainda “dificuldades na chegada aos aeroportos nacionais, nomeadamente no regresso de colaboradores que participam em eventos no exterior, que se traduzem na falta de acompanhamento em termos de medidas de precaução/contenção e falta de informação sobre que medidas adotar”, de acordo com a AEP.

As empresas que participaram no inquérito atuam em vários setores de atividade, indicou a instituição, sem detalhar.

O inquérito também apurou impactos positivos, nomeadamente em empresas ligadas à saúde, como os fabricantes de desinfetantes para exportação, que sentem uma grande procura, e também companhias que estão a ser beneficiadas pela situação na China, que não está a fornecer os seus clientes.

A associação revelou também que se registam, “até ao momento, quatro adiamentos de feiras internacionais em que a AEP estaria presente com participações coletivas de empresas nacionais”, três na Ásia e uma na Europa.

“A presença numa economia global origina efeitos inevitáveis sempre que ocorrem fenómenos desta natureza e dimensão, pelo que a AEP aconselha as empresas portuguesas a definirem planos de contingência”, salientou a associação, recomendando a aplicação de “regras específicas” a cada atividade e o cumprimento das recomendações emitidas pela Direção-Geral da Saúde.

Além disso, a associação apela para que as empresas estejam atentas às informações prestadas pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças e pela Organização Mundial da Saúde.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um quinto das empresas portuguesas sente forte impacto do Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião