EY quer recrutar 200 pessoas até ao final do ano

A campanha "Experience the Yellow" dura até abril para reforçar a equipa da EY até ao fim do ano. Há vagas para as áreas de economia, gestão, ciências, tecnologias, engenharias, matemáticas e direito.

A campanha nacional da consultora EY Portugal, “Experience the Yellow”, já arrancou em janeiro e a empresa está em digressão pelas universidades do país para recrutar 200 jovens talentos até ao final do ano. A consultora procura jovens formados nas áreas de economia, gestão, ciências, tecnologias, engenharias, matemáticas e direito. O objetivo da EY Portugal é continuar a apostar no recrutamento jovem.

A aposta passa pela presença em feiras de emprego nas universidades. A 2 de março, a EY vai estar no Instituto Superior Técnico – Tagus Park, a 3 de março na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, a 5 de março na Escola de Tecnologias e Arquitetura do ISCTE, a 10 de março no IST, a 11 de março na Universidade Católica do Porto e a 12 de março no Instituto Politécnico de Setúbal. As ações de recrutamento terminam em abril, onde vai estar presente a 1 de abril, na Universidade do Minho e a 15 de abril na Nova InformationManagementSchool, em Lisboa.

“O processo de recrutamento da EY para 2020 tem como finalidade conhecer um conjunto alargado de estudantes, de uma forma eficaz, mas sem abdicar do rigor, profundidade e exigência dessa avaliação. Através da campanha Experience the Yellow e da nossa participação nas principais job fairs do país, pretendemos chegar aos mais jovens, com foco predominante no sucesso académico dos candidatos, aliado a um set robusto de competências pessoais que configuram exatamente o perfil EYer que pretendemos atrair”, explica Teresa Freitas, diretora de recursos humanos da EY Portugal.

Campanha “Experience the Yellow”.EY

 

Pretendemos aproximar os new graduates da realidade do mercado atual. A nossa aposta na diversificação das áreas de recrutamento, os benefícios oferecidos aos jovens talentos, e os valores e propósito EY vividos no quotidiano da consultora, são aspetos fundamentais para a nova geração de New EYers, que consideramos um recurso fundamental para um mercado em permanente mudança”, acrescenta a responsável.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EY quer recrutar 200 pessoas até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião