Indústria farmacêutica tranquila com o coronavírus. Stocks de medicamentos estão assegurados

Para já, a indústria farmacêutica está tranquila relativamente aos impactos do coronavírus, mas não há garantias se a situação se prolongar no tempo.

A indústria farmacêutica é um dos setores que foi convocado pelo Ministério da Economia para avaliar os impactos do coronavírus em Portugal. Mas do lado dos medicamentos a mensagem é de tranquilidade. Tendo em conta que se trata de um setor altamente regulado, tem medidas de contingência para vários cenários, e stock de medicamentos e de matéria-prima para o fabrico dos mesmos, garantiu fonte da instituição ao ECO. No entanto, se a epidemia se prolongar, não há garantias.

O ministro da Economia vai reunir esta tarde com os patrões e com associações empresariais para avaliar os impactos económicos do coronavírus. Pedro Siza Vieira vai “reunir com as associações empresariais para detetar, em concreto, quebras em algumas cadeias de fornecimento, designadamente na área industrial, para componentes com origem na China”, onde a doença parou fábricas e “está interrompido o fluxo de fornecimento de peças”, afirmou António Costa, esta manhã, à margem da apresentação do novo programa de ação “Justiça + Próxima”, em Lisboa. “Isso obviamente tem consequências”, disse o chefe do Governo, em declarações aos jornalistas, admitindo que o Executivo irá igualmente “verificar outras” quebras.

Mas do lado da indústria farmacêutica essas quebras ainda não se sentem. Como explicou ao ECO fonte da Apifarma “até ao momento não há razões para preocupação, tendo em conta o “conjunto de indicadores monitorizados” pela instituição. Nem ao nível do fornecimento de medicamentos nem a produção dos mesmos está em causa. Temos bastantes stocks“, acrescenta a mesma fonte, explicando que “ao longo dos anos, a indústria farmacêutica desenvolveu rigorosos métodos de gestão das cadeias de fornecimento que permitem reagir a problemas internos ou até a choques externos como o atual, para minimizar o risco de interrupção de fornecimento de medicamentos”. “Essas práticas são desencadeadas, proativamente, sempre que se verifica um potencial risco de rutura“, acrescentou a instituição.

“Caso exista uma potencial alteração do normal fornecimento de embalagens, a indústria farmacêutica ativará os planos de contingência e trabalhará em cooperação com todas as entidades, a fim de garantir que os doentes têm acesso aos medicamentos de que necessitam”, acrescenta a instituição, dando como exemplo, a procura de outras zonas do globo“, frisou ainda.

Sem adiantar qual será a posição da Apifarma na reunião com Siza Vieira, a associação não se compromete com o futuro. “Em termos temporais não posso dizer nada”, concluiu a mesma fonte.

(Notícia atualizada com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indústria farmacêutica tranquila com o coronavírus. Stocks de medicamentos estão assegurados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião