Luanda Leaks: Isabel dos Santos contrata advogado de Joe Berardo e do Benfica

  • ADVOCATUS
  • 2 Março 2020

Quando se tornou público o Luanda Leaks, Isabel dos Santos contactou Francisco Proença de Carvalho e José António Barreiros, mas só Paulo Saragoça da Matta aceitou defender a empresária angolana.

Isabel dos Santos já tem advogado para a investigação do Luanda Leaks. Paulo Saragoça da Matta está habituado aos holofotes da comunicação social e já que conta com clientes como Joe Berardo, Benfica (no caso E-toupeira), Paulo Lalanda de Castro (administrador da farmacêutica Octapharma, arguido no processo Máfia do Sangue) ou ainda Ricardo Oliveira (no caso BPN).

A Advocatus sabe que antes de Saragoça da Matta foram contactados Francisco Proença de Carvalho, sócio da Uría Menéndez – Proença de Carvalho e José António Barreiros para representar a empresária angolana, mas foi Saragoça da Matta que acabou por aceitar o caso. Contactados pela Advocatus, apenas José António Barreiros comentou a questão, dizendo que “não sou advogado de Isabel dos Santos, nem recusei ser”. Não adiantando mais informações. Nem Saragoça da Matta, nem Francisco Proença de Carvalho quiseram comentar.

Paulo Saragoça da Matta — que atualmente tem presença assídua no programa da TVI ‘Aos Olhos da Lei’ — já não é novo nestas andanças dos processos mediáticos. Mais ainda depois de, no final de 2018, ter sido uma das vítimas do ataque informático de Rui Pinto, tendo visto os seus emails revelados no blogue ‘Mercado do Benfica’, já que protagoniza a defesa do Benfica no caso E-toupeira. Um caso que partilha com João Medeiros — sócio da VdA — e ainda com Rui Patrício, sócio da Morais Leitão.

Fora do âmbito penal, Isabel dos Santos contou com o advogado Jorge Brito Pereira como advogado durante vários anos e ainda com advogados da PLMJ.

Paulo Saragoça da Matta fundou a sociedade de advogados Saragoça da Matta & Silveiro de Barros (SM&SB) que conta atualmente com cinco sócios. O escritório foi fundado em Lisboa há quase 20 anos por Saragoça da Matta e Mário Silveiro de Barros.

Com mestrado em Ciências jurídico-criminais da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, e licenciado pela Católica em 1993, Saragoça da Matta esteve envolvido nas propostas legislativas sobre enriquecimento ilícito, em novembro de 2011, na Assembleia da República.

O advogado foi ainda juiz ad hoc do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem em 2014, presidente da Comissão de Direitos Humanos, Questões Sociais e Assuntos da Natureza da Ordem dos Advogados, docente na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa de 1993 a 2009, ex-docente na Escola Superior de Policia da Academia Militar e dos cursos de preparação para o Centro de Estudos Judiciários Universidade Lusíada de Lisboa. Foi ainda conselheiro do Conselho Superior da Ordem dos Advogados.

O advogado vai agora debruçar-se sobre as denúncias feitas pelo Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação que revelou, no dia 19 de janeiro, mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de ‘Luanda Leaks’, que detalham esquemas financeiros de Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano utilizando paraísos fiscais. Isabel dos Santos foi constituída arguida mas já veio negar as acusações, dizendo-se vítima de um ataque político.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Luanda Leaks: Isabel dos Santos contrata advogado de Joe Berardo e do Benfica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião