Fed queria acalmar, mas lança pânico. Wall Street afunda 3%

Corte de juros surpresa do banco central dos EUA tinha como objetivo impulsionar o sentimento entre investidores, empresas e famílias. Mas acabou por ter o efeito contrário.

A Reserva Federal norte-americana surpreendeu esta terça-feira ao anunciar um corte surpresa nas taxas de juro. A redução pretendia travar o potencial impacto do surto de coronavírus na economia e animar o sentimento dos investidores, após a semana passada ter sido a pior desde a crise de 2008. A reação inicial foi essa, mas à medida que as bolsas digeriram a decisão, acabaram por vê-la com pânico.

O banco central liderado por Jerome Powell cortou as taxas em 50 pontos base para um intervalo entre 1% a 1,25%. “Os fundamentos da economia dos EUA continuam robustos. No entanto, o coronavírus representam um risco em evolução para a atividade económica. À luz destes riscos e do objetivo de apoiar os objetivos de pleno emprego e estabilidade de preços, o Federal Open Market Committee decidiu baixar o intervalo da taxa diretora”, justificou.

Powell explicou, depois, que a ameaça do coronavírus não irá desaparecer proximamente. O corte diminui o preço do dinheiro e impulsiona os ativos de risco, o que aconteceu na reação inicial. As principais praças norte-americanas, que abriram a sessão em queda, inverteram nessa altura e chegaram a ganhar 1,5%. Mas a decisão acabou por ser vista como um sinal de que o impacto do surto na economia norte-americana poderá ser maior que o esperado.

O índice industrial Dow Jones afundou 3,06% para 25.885,84 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 tombou 2,89% para 3.001,01 pontos e o tecnológico Nasdaq caiu 2,99% para 8.684,50 pontos. Os investidores procuraram refúgio na dívida e levaram a yield das Treasuries a dez anos abaixo de 1% pela primeira vez de sempre. Já o dólar, que fica menos atrativo com a quebra nos juros, recuou 0,4%.

Esta foi a primeira vez desde outubro de 2008 que a Fed anuncia um corte de juros sem ser esperado. Nessa altura, o banco central reagia à contração económica e à profunda crise financeira, que levou à queda do Lehman Brothers.

Desta vez, a decisão da Fed foi a primeira reação que resultou da reunião do G7, em que líderes das maiores economias debateram o impacto do vírus, que está matou mais de três mil pessoas. Os banqueiros centrais e os ministros das Finanças do G7 garantiram que estão a seguir “cuidadosamente” a epidemia e suas consequências nos mercados e condições económicas. Além dos estímulos monetários dos bancos centrais, os governos poderão também adotar políticas orçamentais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed queria acalmar, mas lança pânico. Wall Street afunda 3%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião