Tensões comerciais vão provocar incertezas às empresas em 2020

  • Lusa
  • 4 Março 2020

Num índice de pontuação global de risco político a curto prazo – que classifica mais de 200 países - o território chinês de Hong Kong ocupa a segunda posição, logo a seguir ao Sudão.

Uma escalada de tensões comerciais e o crescimento das ameaças ao multilateralismo, provocando incerteza económica para as empresas, são os principais riscos globais para 2020, de acordo com um relatório da consultora Marsh divulgado esta segunda-feira.

O Mapa de Risco Político 2020 – realizado por uma equipa de especialistas de crédito da consultora Marsh, com base em informações da agência de rating Fitch – conclui que a transição para uma nova ordem mundial multipolar, iniciada em 2019, se irá agravar ao longo deste ano, arrastando consigo desafios associados ao multilateralismo e ao comércio livre.

Num índice de pontuação global de risco político a curto prazo – que classifica mais de 200 países – o território chinês de Hong Kong (assolado por vários meses de violentos confrontos sociais) ocupa a segunda posição, logo a seguir ao Sudão (onde fortes protestos contra o Governo se prolongam desde dezembro).

As negociações comerciais da União Europeia com o Reino Unido, após o ‘Brexit’, são o mais relevante fator de risco na região, ao longo do ano, perante a incerteza do desfecho do processo.

Sobre Portugal, o relatório prevê que se mantenha mais quatro anos sob o mandato de um Governo socialista e cita dados da agência Fitch segundo os quais o primeiro-ministro, António Costa, se irá apoiar nos partidos à esquerda para governar numa base de acordos de incidência pontual, “que apenas se provará sustentável” durante esta legislatura.

O relatório diz que o Governo de Costa continuará com uma “política orçamental prudente”, procurando reduzir a dívida e o desemprego, ao longo de 2020 e anos subsequentes, o que faz de Portugal um país de baixo risco.

As eleições presidenciais norte-americanas, em novembro próximo, serão um momento catalisador da convergência de uma série de fatores de risco, que afetarão a geopolítica e as estratégias de empresas multinacionais, segundo o relatório.

O relatório mostra preocupação com as relações entre os Estados Unidos e o Irão, bem como com as tensões entre a Rússia e o ocidente, elevando ainda os riscos políticos a curto prazo para grande parte dos países da América Latina, incluindo Colômbia, Chile, Equador, Haiti, Bolívia e Argentina.

Na região africana, países como a Guiné, Mali e África do Sul permanecem com altos níveis de risco, alertando para a instabilidade política gerada por atos eleitorais conturbados.

O Mapa de Risco Mundial assenta parte da sua análise nas conclusões do Relatório de Risco Global, do Fórum Económico Mundial, que foi divulgado em 15 de janeiro, onde as ameaças ao clima e a turbulência geopolítica, no longo prazo, e as confrontações económicas e a polarização política, no curto prazo, surgiam no topo da lista de preocupações.

O Relatório de Risco Global 2020 estimava que a polarização política e económica deverá aumentar em 2020, tornando mais necessária uma estratégia colaborativa entre líderes mundiais que seja capaz de travar as graves ameaças ao clima, ambiente, saúde pública e sistemas tecnológicos.

O relatório apontava ainda para um incremento das divisões entre nações, a par de uma desaceleração da economia global – fatores que geram “turbulência geopolítica” tendente a produzir “um mundo unilateral instável”, onde impera a rivalidade entre grandes potências.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensões comerciais vão provocar incertezas às empresas em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião