Garrigues premiada com o prémio “Caso IP do ano – Portugal”

  • ADVOCATUS
  • 6 Março 2020

A revista Managing Intellectual Property atribuiu à Garrigues o prémio “Caso IP do ano – Portugal” pela sua intervenção no litígio de propriedade intelectual que opôs a Cofemel à G-Star Raw.

A sociedade de advogados Garrigues recebeu o prémio do “Caso IP do Ano – Portugal” pela sua intervenção no litígio que opôs a sociedade holandesa G-Star Raw à empresa portuguesa Cofemel Sociedade de Vestuário, e que deu lugar a uma sentença que está causar um enorme impacto na área de propriedade intelectual, e em especial na indústria da moda.

Este processo judicial, que durou sete anos, culminou no passado dia 15 de janeiro com um acórdão do Supremo Tribunal de Justiça que decidiu a favor da Cofemel, entidade assessorada pela Garrigues. O litígio teve início em 2013 quando a G-Star Raw interpôs uma ação no Tribunal da Propriedade Intelectual de Lisboa contra a empresa portuguesa, alegando que esta comercializava algumas peças de vestuário cuja configuração (desenho) se assemelhava ao design de alguns dos seus artigos e que estes se encontravam protegidos por direitos de autor. O Supremo Tribunal de Justiça declarou a ação improcedente e absolveu a Cofemel.

O Supremo Tribunal de Justiça tomou esta decisão depois de ter consultado o Tribunal de Justiça da União Europeia sobre se e em que condições o desenho de uma peça de vestuário, para além da proteção conferida pela lei dos desenhos industriais, é também suscetível de beneficiar da proteção prevista no Código de direitos de autor. Em setembro de 2019, o TJUE proferiu um acórdão interpretativo nos termos do qual os desenhos da G-Star em causa no litígio não atingiam o patamar de originalidade necessário para poderem ser qualificados como “obras intelectuais” e, em consequência, para poderem beneficiar da proteção resultante da legislação reguladora dos direitos de autor.

Com a atribuição deste prémio, a Managing Intellectual Property reconhece o trabalho da equipa de Propriedade Intelectual da Garrigues Portugal liderada por João Miranda de Sousa, que é também o responsável máximo da Garrigues em Portugal. “Recebemos este prémio com alegria e humildade. Incentiva-nos a continuar a dar o nosso melhor para oferecer, com a máxima eficiência, respostas uteis e inovadoras aos problemas e necessidades dos nossos clientes”, explica João Miranda de Sousa.

É o segundo ano consecutivo que a Garrigues é reconhecida pela Managing Intellectual Property. Em 2019, esta prestigiada publicação internacional atribuiu à Garrigues o prémio de melhor escritório do ano em Portugal na categoria de contencioso de marcas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Garrigues premiada com o prémio “Caso IP do ano – Portugal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião