Angola pode entrar em incumprimento se petróleo continuar em queda, diz economista

  • Lusa
  • 9 Março 2020

"A manterem-se estes preços do petróleo será muito grave para Angola", diz o economista Carlos Rosado de Carvalho, que admite mesmo que o país poderá entrar em "default".

O economista Carlos Rosado de Carvalho admite que Angola pode entrar em default (incumprimento), mantendo-se o atual cenário de baixos preços do petróleo, e considerou que o Governo deve preparar um “plano B” que inclua cortes na despesa.

“A manterem-se estes preços do petróleo será muito grave para Angola”, já que uma quebra de preços na ordem dos 40% significaria que o Orçamento Geral do Estado (OGE), baseado num encaixe de 11 mil milhões de dólares (9,6 mil milhões de euros) com as receitas petrolíferas, “não seria executável”, afirma Carlos Rosado de Carvalho, pois teria apenas cerca de 4,5 mil milhões de dólares (3,9 mil milhões de euros).

O OGE foi elaborado com base num preço médio de 55 dólares (48 euros) por barril, mas esta segunda-feira o barril de petróleo Brent, de referência na Europa, afundou até aos 33 dólares (29 euros) no início do dia, menos 26,31%, a maior queda num dia desde a primeira Guerra do Golfo em 1991.

A alternativa seria “aumentar o endividamento” e, consequentemente, o défice, mas Carlos Rosado de Carvalho questiona a capacidade do país em endividar-se mais. “Neste cenário, ou se reestrutura a dívida ou não excluo a possibilidade de um default. Com estes preços, ou Angola reestrutura a dívida ou não tem capacidade de a pagar”, salientou o economista, acrescentando que se vivem “tempos de grande volatilidade”.

Os parceiros internacionais, nomeadamente o Fundo Monetário Internacional (FMI) que está a implementar um programa de assistência financeira em Angola, “compreenderão que é um evento completamente externo a Angola”, defendeu Carlos Rosado de Carvalho, destacando que “ninguém está interessado que Angola entre numa espiral de convulsão social”.

Quanto ao programa com o FMI, pode ser revisto. “Uma coisa é ter um programa com 55 dólares o barril, outro é ter um programa com 33 dólares o barril, são coisas completamente diferentes, espero que Angola tenha compreensão dos seus parceiros”, sublinhou, notando que o país não pode deixar, no entanto, de fazer “as reformas que são importantes”, como a melhoria do ambiente de negócios ou o fim a subsidiação dos combustíveis.

O pânico gerado pela epidemia do novo coronavírus é apenas parte da explicação para a queda dos preços do petróleo. Para o economista, “tem a ver com uma guerra, pois a Rússia não quis novos cortes, não quis alinhar com a OPEP e, de alguma forma, isto é uma retaliação da Arábia Saudita”.

Face à “volatilidade” esperada nos próximos tempos, “o mais avisado é o Governo começar a preparar um plano B”, considerou Carlos Rosado de Carvalho, recomendando a definição de prioridades, nomeadamente onde devem ser feitos os cortes na despesa. “Se não cortar nas despesas e tiver um corte de receitas desta ordem de grandeza onde é que Angola vai buscar dinheiro para financiar?”, atirou.

No entanto, “é cedo” para rever o Orçamento, até que “as coisas estabilizem”, sugeriu Carlos Rosado de Carvalho, lembrando que o Governo está já em fase de revisão da programação macroeconómica, como foi referido no sábado por responsáveis das Finanças.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola pode entrar em incumprimento se petróleo continuar em queda, diz economista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião