Costa diz que turismo, aviação e banca podem ter ajuda extra por causa do vírus

O primeiro-ministro português revelou que o Conselho Europeu está a preparar medidas de apoio a companhias aéreas, turismo e aos bancos para combater impacto económico do surto do coronavírus.

O primeiro-ministro português adiantou esta terça-feira que o Conselho Europeu irá discutir medidas de auxílio estatal às companhias de transporte aéreo e empresas de turismo na União Europeia, setores que estão a ser bastante penalizados com o surto do coronavírus. António Costa revelou que também estão a ser preparadas medidas para que os bancos possam dar moratórias às empresas para que possam pagar as dívidas mais tarde sem que isso prejudique os rácios de capital.

“Em matéria de política de concorrência, é fundamental que se adotem medidas que permitam auxílio de Estado, desde logo quanto a companhias aéreas, que estão a sofrer um impacto muito significativo, e a empresas do setor do turismo, que estão a sofrer também com esta situação“, disse o primeiro-ministro.

António Costa falava depois de uma reunião com alguns ministros na sua residência oficial, em São Bento, para preparar o Conselho Europeu que se realiza esta tarde por teleconferência.

Por outro lado, “é necessário que se adotem medidas que não penalizem moratórias que os bancos possam conceder ao pagamento de dívidas por parte das empresas sem que isso penalize quer as empresas quer os rácios do sistema financeiro“, acrescentou.

“Com essas moratórias, [pretendemos] criar melhores condições para que as empresas possam manter os postos de trabalho e assegurar que conseguimos fazer esta transição deste período epidémico com o menor dano possível para a economia, para o emprego e para os rendimentos”, explicou o governante português.

Em cima da mesa estarão “medidas de utilização de toda a margem de flexibilidade do Pacto de Estabilidade e medidas que permitam agilizar todo o processo de contratação pública, para que o investimento público possa dar um contributo decisivo à estabilização da economia”, disse o primeiro-ministro.

Foi convocado um Conselho Europeu para esta tarde para preparar uma resposta ao impacto do coronavírus e que vai “concentrar-se principalmente com as medidas necessárias a adotar para evitar os danos económicos desta epidemia” e para “não nos colocarmos num risco de juntarmos a epidemia da doença uma epidemia económica”, segundo António Costa.

Em Portugal, a transportadora portuguesa TAP anunciou o cancelamento 3.500 voos previstos para os próximos meses, entre outras medidas para enfrentar a quebra no seu negócio. Também os hotéis estão a registar cancelamento de reservas para o período de férias da Páscoa por causa do novo vírus.

O Governo também já anunciou várias medidas, como uma linha de crédito de 200 milhões de euros para apoiar a tesouraria das empresas, e agilizou processos de lay-off para que as empresas possam ajustar o quadro de trabalhadores ao volume de trabalho. Também alargou o período para o pagamento de impostos.

“Estamos perante um vírus novo em Portugal e no mundo. Isto coloca fatores de incerteza sobre o que é a previsão da evolução. Nesta incerteza, temos de nos preparar para o pior cenário, desejando o melhor cenário”, sublinhou António Costa.

Até ao momento, Portugal contabiliza 41 infetados por Covid-19, uma doença que já vitimou mais de 4.000 pessoas em todo o mundo.

(Notícia atualizada às 12h48 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa diz que turismo, aviação e banca podem ter ajuda extra por causa do vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião