Dan Price aumentou o salário anual de todos os trabalhadores. Todos ganham 60 mil euros por ano

Em 2015, o CEO da empresa de processamento de pagamentos em cartões de crédito reduziu o seu próprio salário para garantir um aumento a todos os 120 trabalhadores.

70.000 dólares, cerca de 63 mil euros. É o salário mínimo anual de cada um dos 120 trabalhadores da empresa de processamento de pagamentos de cartões de crédito Gravity Payments, com sede em Seatlle, nos EUA. Mas nem sempre foi assim. O aumento foi anunciado em abril de 2015, pelo CEO Dan Price que, para isso, hipotecou duas casas, abdicou das suas poupanças e reduziu o seu salário de um milhão para 70 mil dólares. Dan Price tomou esta decisão quando descobriu que algumas pessoas na sua empresa tinham outros empregos para conseguir fazer face às suas despesas, conta a BBC.

Inspirado pelo estudo sobre a felicidade dos economistas vencedores de prémios Nobel, Daniel Kahneman e Angus Deaton, Dan Price chegou à conclusão de que seriam necessários, no mínimo, 70.000 dólares para garantir que os trabalhadores conseguiam viver uma vida digna. Para o responsável, esta decisão foi um “imperativo moral”.

Desde o anúncio do aumento do salário dos trabalhadores, muita coisa mudou, entre elas o aumento da taxa de natalidade, a possibilidade de os trabalhadores liquidarem as suas dívidas e até comprarem a sua própria casa. O aumento dos salários reduziu a pressão no dia-a-dia, dando aos profissionais mais liberdade e foco no que os motiva, garante Rosita Barlow, diretora de vendas da Gravity, citada pela BBC. “Quando o dinheiro não está na primeira linha de pensamento quando estás a trabalhar, permite-te ser mais apaixonado sobre o que te motiva”, salienta a responsável.

O investimento parece ter valido a pena. “Cortei o meu salário de 1,1 milhões de dólares para 70 mil dólares, hipotequei a minha casa e desisti dos meus investimentos e poupanças, para que os meus colaboradores pudessem fazer mais. O meu estilo de vida mudou drasticamente, mas estou mais feliz e foi a coisa certa a fazer. Investir nos trabalhadores vale a pena!”, lê-se no comentário do Twitter de Dan Price, publicado no final de fevereiro.

Para manifestar o agradecimento, os trabalhadores juntaram-se e ofereceram um Tesla ao CEO. “Enquanto sociedade, glorificamos a ganância diariamente, na nossa cultura. E a lista da Forbes é o pior exemplo. Bill Gastes ultrapassou Jeff Bezos como o homem mais rico. O que é que isso interessa?”, refere Dan Price, citado pela mesma fonte.

De acordo com a BBC, em 1965 nos EUA, os CEO ganhavam vinte vezes mais do que o trabalhador comum, números que subiram mais de 300 vezes em 2015. Aos 26 anos, Dan Price foi distinguido como “Empreendedor do Ano”, pela SBA.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dan Price aumentou o salário anual de todos os trabalhadores. Todos ganham 60 mil euros por ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião