Juiz Orlando Nascimento concorre para conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça

  • Lusa
  • 10 Março 2020

Orlando Nascimento renunciou ao cargo de presidente da Relação de Lisboa e é alvo de um processo disciplina. O nome do juiz está na lista de candidatos para ascender ao Supremo Tribunal de Justiça.

O juiz Orlando Nascimento, que renunciou ao cargo de presidente do Tribunal da Relação de Lisboa e é alvo de um processo disciplinar, consta da lista de candidatos que pretendem ascender ao Supremo Tribunal de Justiça.

Fonte ligada ao processo explicou à agência Lusa que o procedimento disciplinar instaurado recentemente a Orlando Nascimento, pelo Conselho Superior da Magistratura (CSM), não impede que o desembargador concorra à bolsa de graduação de juízes para o Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

O CSM decidiu, no início do mês, instaurar processos disciplinares aos desembargadores Vaz das Neves, Rui Gonçalves e Orlando Nascimento, todos da Relação de Lisboa, por fortes indícios de abuso de poder.

“Caso o juiz atinja a graduação e seja chamado a ocupar um lugar no Supremo, que fique vago pela jubilação ou aposentação de algum conselheiro, pode fazê-lo, a menos que surja uma decisão no processo disciplinar que o impeça”, referiu a fonte.

Cada candidato ao concurso de graduação é avaliado por um júri e a Orlando Nascimento calhou, por sorteio, o conselheiro José António Lameira, vice-presidente do CSM.

O regulamento do concurso estipula que, entre os critérios de valoração de idoneidade dos candidatos, seja avaliado o prestígio profissional e cívico correspondente ao exercício específico da função, tendo em consideração, designadamente, a contribuição para a melhoria do sistema de justiça (…), a independência, isenção e dignidade de conduta, a serenidade e a reserva com que exerce a função.

O júri do concurso, é composto pelo juiz conselheiro António Joaquim Piçarra, presidente do CSM, pelo vice-presidente José Sousa Lameira, pelo vogal do conselho José Manuel Cardoso da Costa, Amadeu Guerra, eleito pelo Conselho Superior do Ministério Público, Mário Ferreira Monte, pela Escola de Direito da Universidade do Minho e Luís Menezes Leitão indicado pelo Conselho Superior da Ordem dos Advogados, que delegou essa função na presidente do referido conselho, a advogada Paula Lourenço.

O concurso de graduação serve para formar uma bolsa de juízes que ficam qualificados e disponíveis para substituir os conselheiros que entretanto abandonem o STJ.

Para este concurso, cujo resultado final deverá ser conhecido em finais de abril ou início de Maio, apresentaram candidaturas 79 juízes, nove procuradores-gerais adjuntos e quatro juristas de mérito, num total de 92 candidatos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juiz Orlando Nascimento concorre para conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião