Wall Street avança mais de 3%. Investidores estão à espera de estímulos para travar impacto do vírus

Depois da segunda-feira negra, a recuperação bolsista também se estende aos EUA. Wall Street apresenta ganhos de quase 4%, com os investidores à espera de estímulos monetários.

Depois das quedas registadas na sessão de segunda-feira, Wall Street abriu o dia com ganhos acentuados, com os três principais índices a apresentarem subidas acima de 3%. Recuperam metade das perdas de ontem — em linha com as praças europeias –, numa altura em que os investidores aguardam por uma resposta coordenada das autoridades para evitar uma recessão económica global.

O índice S&P 500 avança 3,43 pontos para 2.840,79 pontos, acompanhado do tecnológico Nasdaq e do industrial Dow Jones, que valorizam 3,64% e 3,66%, respetivamente.

Esta segunda-feira, perante o crash no mercado petrolífera, as bolsas norte-americanas afundaram mais de 7%. O sentimento de hoje é diferente: os investidores aproveitam a baixa das cotações para investir, isto enquanto por sinais de maior alívio quantitativo dos bancos centrais para proteger a economia dos efeitos do coronavírus, que já fez mais de 4.000 vítimas mortais em todo o mundo e está a provocar um choque na economia.

O mercado aguarda por nova descida dos juros por parte da Reserva Federal norte-americana pela segunda vez este mês. O Banco Central Europeu (BCE) tem reunião marcada para esta quinta-feira e também poderão surgir novidades. No Japão, foi anunciado um pacote de quatro mil milhões de dólares para combater o surto do Covid-19.

“Os investidores estão à procura de sinais de uma luz ao fundo do túnel. Se tiveram algum sinal de que o coronavírus não está a ser tão devastador economicamente, então o mercado poderá valorizar”, disse Adam Sarhan, da 50 Park Investments, à agência Reuters.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street avança mais de 3%. Investidores estão à espera de estímulos para travar impacto do vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião