Áustria e Suíça condicionam passagem nas fronteiras com Itália

  • Lusa
  • 11 Março 2020

Áustria e a Suíça estão a condicionar severamente o trânsito nas suas fronteiras com a Itália para tentar conter a propagação do vírus.

A Áustria e a Suíça estão a condicionar severamente o trânsito nas suas fronteiras com a Itália, o país europeu mais afetado pela Covid-19, para tentar conter a propagação do vírus.

As autoridades alfandegárias suíças encerraram totalmente nove passagens de fronteira com a Itália, canalizando o tráfego através de sete outros pontos.

A Áustria implementou esta quarta-feitra o encerramento quase total das suas fronteiras com Itália, introduzindo rigorosos controlos nos pontos de passagem utilizados pelos motoristas, que passam a ter de apresentar um atestado médico.

“O princípio é travar o trânsito de Itália para a Áustria. As únicas exceções são as pessoas que apresentem um atestado médico”, explicam as autoridades austríacas, em comunicado.

A circulação dos trabalhadores fronteiriços e dos transportadores rodoviários permanece autorizada, mas são realizados exames de saúde.

As autoridades aduaneiras suíças estão a aconselhar os turistas de Itália a absterem-se de viajar para a Suíça, por via ferroviária ou rodoviária, “na medida do possível”.

As autoridades austríacas reconhecem mesmo que a procura das passagens de fronteira com a Itália é muito reduzida, neste momento, sobretudo no que diz respeito a transporte de mercadorias.

A Itália é o país mais atingido pelo surto do novo coronavírus, com mais de dez mil casos de infeção e 631 mortes, levando o Governo a decretar a quarentena a todo o território.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.300 mortos em 28 países e territórios.

O número de infetados ultrapassou as 120 mil pessoas, com casos registados em 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 59 casos confirmados.

Face ao avanço da epidemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Áustria e Suíça condicionam passagem nas fronteiras com Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião