Concentrix será uma das empresas a instalar-se no Porto Office Park. Vai contratar 500 pessoas

Multinacional Concentrix alugou quatro pisos no POP: será uma das primeiras empresas a instalar-se neste empreendimento de luxo. Vai contratar 500 colaboradores para áreas de backoffice e call center.

A multinacional Concentrix, especializada em outsourcing e na prestação de serviços de apoio técnico e de interação com o cliente, alugou quatro pisos no Porto Office Park (POP) — com uma área total de 7.600 metros quadrados e com capacidade para 630 colaboradores — e será uma das primeiras empresas a instalar-se no empreendimento de luxo do Porto, avançou ao ECO, Tiago Violas, presidente executivo da holding Violas Ferreira.

Só em Portugal, a Concentrix emprega mais de 1.500 trabalhadores nos escritórios em Braga e Matosinhos. “Esta nova localização prende-se com a estratégia de crescimento e expansão da empresa e o POP enquadra-se na perfeição nas necessidades da Concentrix. Foi a melhor decisão quer a nível de localização quer a nível de infraestruturas de ponta”, refere o country leader da Concentrix, Ahmed Aboulezz, ao ECO.

Com esta expansão no nosso país, a Concentrix vai contratar cerca de 500 pessoas para o novo escritório no POP, a partir de maio. Ahmed Aboulezz explica que existe um grande leque de oportunidades, principalmente para as áreas de backoffice e call center. Falar outros idiomas como inglês, alemão, italiano, francês e espanhol é um fator obrigatório. As vagas podem ser consultadas no site na empresa.

Esta nova localização prende-se com a estratégia de crescimento e expansão da Concentrix e o POP enquadra-se na perfeição nas necessidades da empresa.

Ahmed Aboulezz

Country leader da Concentrix

Para além da Concentrix, a PLMJ, sociedade de advogados que conta com cerca de 50 colaboradores, também vai instalar-se no POP, tendo sido o primeiro cliente a ser anunciado pela holding de Tiago Violas.

O projeto do POP nasce na antiga estação de recolha de autocarros da STCP na Avenida de Sidónio Pais e tem 31.500 metros quadrados de área de construção, divididos por dois edifícios de escritório com nove pisos cada, e envolvido numa área verde de 15.000 metros quadrados.

Procura do POP é superior à oferta

“Estamos com uma procura bastante maior do que a oferta que temos (…). Temos assinados 60% dos contratos e aquilo que está em negociações avançadas já ultrapassa os 100%” garante, Tiago Violas, presidente executivo da holding Violas Ferreira. A inauguração oficial do POP será em junho. O Porto Office Park (POP) localiza-se na Boavista e é o maior projeto de escritórios na cidade do Porto. O investimento de 100 milhões de euros promete revolucionar o mercado de escritórios na Invicta: os escritórios estão a ser comercializados em regime de arrendamento e 60% do espaço já está alugado. A multinacional americana Concentrix será uma das primeiras empresas a mudar-se, em maio, para este empreendimento de luxo.

O valor médio do metro quadrado é de 17 euros. Contas feitas, o valor de um piso com cerca de 1.700 metros quadrados custará, em média, cerca de 29.000 euros por mês, para espaços com capacidade para 210 colaboradores. A este valor acresce 1,78 euros por metro quadrado relativamente a despesas de áreas comuns, como segurança e limpeza.

"Estamos com uma procura bastante maior que a oferta que temos.”

Tiago Violas

Presidente executivo da holding Violas Ferreira

Tiago Violas explica ao ECO que a unidade mínima de arrendamento é um quarto de piso, que corresponde a 436 metros quadrados. “Desde o início de fevereiro temos muita procura e já começamos a ficar com escassez, na prática já não temos esse tipo de unidades disponíveis”, refere Tiago Violas.

Além dos espaços para empresas, o POP oferece ainda serviços exclusivos e personalizados, como por exemplo a possibilidade de levar comida para casa, serviço de lavandaria, segurança 24 horas por dia, área lounge exterior, ginásio, sala de yoga, auditórios e salas de reunião, café, restaurante e um club house.

O edifício vai contar ainda com 600 lugares de garagem que serão pagos à parte (100 euros por lugar por mês), sendo 10% direcionados a veículos elétricos, duas dezenas de estacionamento para bicicletas. Para Tiago Violas, “o POP é o edifício de escritórios mais premium, neste momento, na cidade do Porto”.

O design pertence à empresa inglesa Broadway Malyan, que conta com 60 anos de experiência e está presente em Portugal. Segundo Tiago Violas “é um nome que os nossos clientes todos conhecem e é sinónimo de qualidade (…) Termos escolhido a Broadway Malyan vai ao encontro das especificações e normas de escritórios que os nossos clientes pretendem”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concentrix será uma das empresas a instalar-se no Porto Office Park. Vai contratar 500 pessoas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião