Hoje nas notícias: Escolas, criptomoedas e Cofina

  • ECO
  • 12 Março 2020

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O coronavírus continua a marcar a atualidade nacional, com os diretores da escolas a manifestarem-se contra a decisão do Conselho Nacional de Saúde Pública de não fecharem as escolas, justificando “alarme social”. Cinco arguidos vão a julgamento esta semana por estarem acusados de burlar Portugal que envolveu investimentos numa criptomoeda. Na política, o novo regulamento do PSD prevê expulsão dos deputados em casos-limite.

Diretores estão contra a decisão de não fechar já todas as escolas

Depois do Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP) ter decidido que as escolas só devem encerrar por ordem das autoridades de saúde, os presidentes da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) e da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP) estão contra a decisão justificando o “alarme social” que a doença está a provocar dentro das comunidades educativas. Segundo Flinto Lima, que lidera a ANDAEP, os alunos “já não rendem como é normal em função de toda esta situação”. Já Manuel Pereira, da ANDE, considera que o Governo português está a cometer o mesmo erro que o Executivo italiano, defendendo que “é preciso atuar de imediato e tomar medidas drásticas”.

Leia a notícia completa no Jornal Público (acesso livre).

Portugal usado para burla milionária com criptomoeda

Esta semana, vão a julgamento em Lisboa cinco arguidos suspeitos de terem usado Portugal para uma megaburla internacional que envolveu investimentos numa criptomoeda. O Público não revela o nome da moeda, mas indica que os investidores eram atraídos com a promessa de ganhos avultados e sem risco. Pela mão dos réus terão passado cerca de 100 milhões de euros, segundo acredita a Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Cofina perde caução de 10 milhões no negócio com a Prisa

A Cofina desistiu da compra da Media Capital, dona da TVI e da Rádio Comercial, por não conseguir completar o aumento de capital, justificando a decisão pela deterioração das condições de mercando. Com o falhando do negócio, perde uma caução de 10 milhões de euros.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (link indisponível).

EDP acelera plano estratégico apesar das perdas em Portugal

A EDP acredita que foi “além dos objetivos” definidos no plano estratégico apresentado há um ano, por ter antecipado algumas medidas. Em sentido oposto, a redução da dívida está ainda abaixo das metas desenhadas pela elétrica nacional. Este plano, explicado em 2019 por António Mexia, prometia “transformar” a EDP numa empresa “verde”, com otimização do portefólio, investimento nas renováveis e desalavancagem.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (ligação indisponível).

 

Novo regulamento do PSD prevê expulsão em casos-limite

O novo regulamento dos deputados do PSD prevê a expulsão dos parlamentares em casos-limite, noticia o jornal i. “A direção poderá propor ao Grupo Parlamentar a exclusão do Deputado”, lê-se na proposta de novo regulamento, segundo a qual a decisão de exclusão é tomada “após audição do visado”. Estas novas regras terão de ser aprovadas por maioria absoluta na reunião da bancada desta quinta-feira.

Leia a notícia completa no jornal I (ligação indisponível).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Escolas, criptomoedas e Cofina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião