Países já anunciaram mais de 200 mil milhões para combater efeitos do coronavírus

Entre apenas oito países, começando pela China e chegando até Portugal, as medidas de apoio governamental anunciadas para o combate ao coronavírus já chegam aos 200 mil milhões de euros.

À medida que o novo coronavírus se espalha a nível global e se começam a sentir os impactos económicos negativos, as autoridades estão a reunir munições com vista a travar consequências. Vários governos das regiões do globo mais afetadas, pela recém-classificada pandemia pela Organização Mundial de Saúde, já anunciaram pacotes de emergência financeira com vista a proteger as pessoas afetadas, bem como as empresas. Em apenas oito países, começando pela China, passando por Portugal, as medidas de apoio governamental anunciadas já chegam aos 200 mil milhões de euros.

Na Europa, são vários os países cujos governos já anunciaram alguns valores que estão dispostos a avançar para apoiar as respetivas economias. A Itália será até agora o que mais se dispôs a abrir os cordões à bolsa, sendo que este é também o país europeu mais fustigado pela propagação do vírus. Giuseppe Conte anunciou um pacote de 25 mil milhões de euros.

Este é também o mesmo valor que Bruxelas decidiu depositar num fundo de urgência para combater o coronavírus. Os líderes da União Europeia acordaram, na passada terça-feira, “atuar juntos e rapidamente” para fazer face ao surto do novo coronavírus, tendo identificado quatro áreas prioritárias nas quais concentrar os seus esforços, anunciou o presidente do Conselho Europeu.

Os vários países da União Europeia deverão ainda contar com a flexibilização do cumprimento das metas do Pacto de Estabilidade e Crescimento, de modo a que os gastos dos Estados para mitigar os efeitos da pandemia não sejam contabilizados no défice.

Veja alguns dos pacotes de ajuda governamental de vários países já anunciados, nomeadamente, o valor e as áreas de atuação prioritária dessa ajuda.

Bancos da China dão mais de 70 mil milhões de crédito às empresas

Os bancos da China já disponibilizaram mais de 537 mil milhões de yuans (70 mil milhões de euros) em crédito às empresas chinesas para estas restabelecerem a suas produções, abaladas economicamente pelo novo coronavírus. As autoridades chinesas prometeram ainda reduzir impostos e apoiar as empresas a recuperarem dos prejuízos causados pelo Covid-19

Japão anuncia pacote de ajuda de 5,82 mil milhões

O primeiro-ministro japonês anunciou a 29 de fevereiro um primeiro pacote financeiro de emergência no valor de 2,27 mil milhões de euros, aproximadamente, para combater o surto do novo coronavírus.

O plano prevê apoios específicos para os pais que tenham de faltar ao trabalho para ficar a tomar conta de crianças pequenas, mas também medidas para ampliar a resposta médica em caso de escalada do surto, assim como verbas para ajudar a desenvolver uma vacina e kits de teste ao vírus mais eficientes.

Já a 10 de março anunciou um segundo pacote de apoio equivalente a 3,55 mil milhões de euros, orientado para o apoio às pequenas e médias empresas, prevenindo falências.

EUA aprovam plano de emergência de 7,4 mil milhões. Reforçam com mais 44,5 mil milhões

O Congresso dos EUA aprovou a 6 de março um plano de emergência de 8,3 mil milhões de dólares (7,4 mil milhões de euros) para financiar a luta contra a disseminação do novo coronavírus naquele país.

Em particular, o plano pretende financiar a pesquisa e o desenvolvimento de vacinas, tratamentos médicos e de diagnóstico, bem como serviços médicos remotos ou empréstimos a taxas reduzidas para pequenas empresas.

Já esta quarta-feira ao final do dia, num discurso à Nação, o Presidente Trump anunciou que o seu Governo irá fornecer apoio de capital e liquidez, num total de 50 mil milhões de dólares (cerca de 44,5 mil milhões de euros) às pequenas empresas afetadas pela atual conjuntura.

Portugal com linha de crédito de 200 milhões para empresas

O Governo português anunciou no passado dia 9 de março que vai disponibilizar uma linha de crédito de 200 milhões de euros para apoiar a tesouraria das empresas, no âmbito do Programa Capitalizar. Esta linha destina-se a micro, pequenas e médias empresas que tenham registado uma quebra de, pelo menos, 20% da sua faturação em termos homólogos, explicou Pedro Siza Vieira.

Aos parceiros sociais, o Executivo anunciou ainda a intenção de simplificar o lay-off nas empresas e o alargamento dos prazos de pagamento de impostos.

Alemanha investe 12,4 mil milhões para ajudar economia

A Alemanha anunciou a 9 de março um investimento público de cerca de 12,4 mil milhões de euros, entre 2021 e 2024, para combater os efeitos económicos da epidemia. Medidas que incluem o alargamento de prazos fiscais para as empresas ou a compensação parcial às companhias que tenham de reduzir os horários de trabalho.

Itália disponibiliza 25 mil milhões de euros. Metade para emergências

O Governo italiano vai disponibilizar 25 mil milhões de euros para combater a epidemia causada pelo novo coronavírus foi anunciado esta quarta-feira, 11 de março.

Desse montante, aproximadamente metade será mobilizada para emergências, sendo a outra metade utilizada para possíveis necessidades futuras do país. “Disponibilizamos recursos extraordinários no valor de 25 mil milhões de euros”, disse o chefe do Governo, Giuseppe Conte, citado pelas agências italianas.

Governo britânico anuncia pacote de 34 mil milhões

O Governo britânico anunciou esta quarta-feira, 11 de março, um pacote de medidas no valor de 30 mil milhões de libras (34 mil milhões de euros) para estimular a economia e ajudar trabalhadores e empresas afetados pela epidemia.

O ministro das Finanças, Rishi Sunak, explicou que, para além de garantir o pagamento de subsídio de doença aos infetados a partir do primeiro dia de ausência no emprego, este também vai ser acessível às pessoas que tenham de se auto isolar, mesmo antes de apresentar sintomas, podendo obter um atestado médico através do serviço telefónico do serviço nacional de saúde.

Canadá lança fundo de 640 milhões de euros

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, anunciou esta quarta-feira, 11 de março, a criação de um fundo de mil milhões de dólares canadianos (cerca de 640 milhões de euros) para apoiar a economia nacional perante a evolução do novo coronavírus.

O fundo “vai disponibilizar financiamento às províncias e territórios para ajudá-las a estar preparadas contra qualquer eventualidade”, afirmou Trudeau, em conferência de imprensa. Por outro lado, esta medida tem em vista fortalecer os sistemas de saúde e a assistência financeira aos cidadãos obrigados a ficar em isolamento.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Países já anunciaram mais de 200 mil milhões para combater efeitos do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião