Madeira suspende atracagem de navios de cruzeiro por causa do coronavírus

  • Lusa
  • 12 Março 2020

"Estas medidas vão vigorar até ao dia 31 de março, data em que o governo fará uma nova avaliação", adiantou Miguel Albuquerque.

O Governo da Madeira suspendeu todas as autorizações para atracagem de navios de cruzeiro e iates nos portos e marinas do arquipélago, e vai passar a medir a temperatura dos passageiros nos aeroportos, informou o chefe do Executivo, esta quinta-feira.

Estas medidas vão vigorar até ao dia 31 de março, data em que o governo fará uma nova avaliação“, disse Miguel Albuquerque, em conferência de imprensa, no Funchal, na qual apresentou um conjunto de “medidas adicionais” de contenção da pandemia de Covid-19 na região.

Estamos a falar na acostagem, até ao fim do mês, de 23 navios de cruzeiro, com um número de passageiros de cerca de 50 mil”, explicou o governante, vincando que a medida entra em vigor às 24:00 desta quinta-feira.

Nos dois aeroportos da região – Madeira e Porto Santo -, o governo vai implementar um novo procedimento de controlo, com a da medição da temperatura dos passageiros e das tripulações no desembarque e também com o preenchimento de um inquérito ainda a bordo dos aviões.

“Queremos ter as equipas no terreno o mais rapidamente. Estamos a falar no desembarque de cerca de 10 mil passageiros por dia, o que implica um esforço logístico e humano bastante importante da parte do governo”, disse Miguel Albuquerque, realçando que as equipas serão compostas por elementos do Serviço de Saúde da Madeira (Sesaram).

O chefe do executivo sublinhou que os aeroportos do arquipélago são os primeiros do país a implementar este procedimento, sendo que autoridades nacionais já foram informadas da decisão, nomeadamente a ANA – Aeroportos de Portugal, a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) e a Direção-Geral de Saúde.

“Esperamos ter o sistema totalmente montado até à próxima segunda-feira”, disse, e realçou: “É óbvio que isto vai causar incómodos, vai causar atrasos, mas nós entendemos que a saúde pública está em primeiro lugar e será importante avançarmos o mais rapidamente possível com esta solução”.

Estas medidas são adotadas numa altura em que não há registo de qualquer caso de infeção por Covid-19 na Região Autónoma da Madeira. Miguel Albuquerque apelou, por outro lado, à população para não correr aos supermercados, garantindo que a região “está a ser abastecida com normalidade”.

“Nós apelamos à calma, não havendo a necessidade de as pessoas se precipitarem para os supermercados no sentido de garantir abastecimento extra dos bens essenciais”, alertou, indicando que está já agendada a chegada de dois navios de transporte de mercadorias: um na sexta-feira, outro na segunda-feira.

O presidente do Governo esclareceu, também, que os serviços mínimos estão garantidos, apesar da greve dos estivadores, e que o Governo da República já foi alertado da necessidade, se for caso disso, para proceder à requisição civil, no sentido de garantir o transporte de mercadorias para o arquipélago.

A pandemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.500 mortos em todo o mundo. O número de infetados ultrapassou as 124 mil pessoas, com casos registados em 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Madeira suspende atracagem de navios de cruzeiro por causa do coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião