Metro de Lisboa lança novo concurso para adjudicação de obra na estação de Santos

  • Lusa
  • 12 Março 2020

Metro Lisboa lança novo concurso para a adjudicação da empreitada de execução dos toscos entre a estação de Santos e o término da estação do Cais do Sodré. Este troço tem um preço-base de 90 milhões.

O Metropolitano de Lisboa lançou esta quinta-feira um novo concurso para a adjudicação da empreitada de execução dos toscos entre a estação de Santos e o término da estação do Cais do Sodré, no âmbito da linha circular.

O novo concurso publicado esta quinta-feira em Diário da República tem a ver com o facto de, no primeiro concurso, o Metropolitano ter recebido duas propostas acima do preço-base.

Em 24 de janeiro o metro anunciou ter recebido duas propostas com valores superiores ao preço base definido no processo de concurso, facto que, tendo em conta a legislação aplicável do Código dos Contratos Públicos – CCP, obrigou à exclusão de ambas.

Segundo o Metropolitano de Lisboa, os valores base do concurso para aquela empreitada eram de 68 milhões de euros.

No novo concurso lançado esta quinta-feira, o metro estabelece novo preço-base de 90 milhões de euros para o troço, estabelecendo um prazo de 45 dias para apresentação de propostas.

O concurso enquadra-se no âmbito do plano de expansão da rede do metro para o prolongamento das linhas Amarela e Verde – Rato/Cais do Sodré -, viabilizando a criação de um anel envolvente na zona central da cidade de Lisboa.

Em 05 de fevereiro, durante a votação na especialidade do Orçamento do Estado para 2020, o projeto de construção da linha circular do Metro de Lisboa foi suspenso, segundo uma proposta de alteração do PAN aprovada com os votos favoráveis de PSD, BE, PCP e Chega, abstenção do CDS-PP e votos contra do PS e IL.

“O Governo procede, durante o ano de 2020, à suspensão do projeto de construção da Linha Circular do Metropolitano de Lisboa”, estabelece o número 1 da proposta aprovada, que também define que o Governo deve fazer um estudo “técnico e de viabilidade económica que permita uma avaliação comparativa entre a extensão até Alcântara e a Linha Circular”, e ainda estudos com vista à “expansão prioritária” para Loures.

O PS já anunciou que vai pedir junto do Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva das propostas aprovadas no parlamento.

Em 19 de fevereiro, à saída de uma audição na Comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território, na Assembleia da República, em Lisboa, o ministro do Ambiente disse que a obra da linha circular do Metropolitano de Lisboa “não está parada”, lembrando que o Orçamento do Estado carece de publicação e que cabe ao Governo tomar “qualquer decisão” para travar o projeto.

“A obra de facto não está suspensa, nem há nenhuma razão para estar suspensa, nem há nenhuma lei publicada que a suspenda”, afirmou João Matos Fernandes aos jornalistas.

Matos Fernandes, que tutela os transportes urbanos, sustentou que a suspensão da obra é uma “competência do Governo”, reiterando o que tem dito sobre esta questão: “É nossa forte expectativa que esta obra nunca venha a ser suspensa”.

A linha circular pretende ligar a estação do Cais do Sodré (linha verde) à do Rato (linha amarela) e, para isso, está prevista a construção de duas novas estações: uma na zona de Santos e outra na zona da Estrela.

A atual linha verde vai desde o Cais do Sodré a Telheiras, mas com esta obra passará a ter as estações da linha amarela (a partir da Cidade Universitária até ao Rato) formando assim “um círculo” na rede do Metropolitano da capital.

A linha amarela que iria desde o Rato a Odivelas vai perder todas as estações até ao Campo Grande e aí ficará com Telheiras (que era da linha verde) e passará a ir de Telheiras até Odivelas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metro de Lisboa lança novo concurso para adjudicação de obra na estação de Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião