PSI-20 afunda 10% para mínimos de 24 anos. Perde 5,5 mil milhões de euros

Há seis sessões que o índice lisboeta está em queda livre, acumulando já perdas de mais de 15 mil milhões de euros. Uma vaga de desvalorizações inunda as cotadas do PSI-20.

As bolsas europeias viveram um novo mini-crash esta quinta-feira, e a praça lisboeta não escapou à razia. Nesta sessão, “desapareceram” da bolsa de Lisboa mais de 5,5 mil milhões de euros, com o PSI-20 a mergulhar 10% para mínimos de 24 anos. Há seis sessões que o índice lisboeta está em queda livre, acumulando já perdas de mais de 15 mil milhões de euros. Uma vaga de mínimos inundou as cotadas do PSI-20.

Foi uma debandada no mercado, com os investidores a fugirem dos ativos de risco perante o agudizar da pandemia do Covid-19. Os estímulos do Bancos Central Europeu (BCE) anunciados esta quinta-feira também não foram suficientes para trazer tranquilidade ao mercado.

O PSI-20 desvalorizou 9,76%, para os 3.805,92 pontos, nesta sessão, com todas as cotadas no vermelho e oito a tombarem acima de 10%. No resto da Europa, as perdas foram ainda mais acentuadas, chegando até aos 14,9% registados pela bolsa de Milão. Já o espanhol IBEX derrapou 13,83%, o CAC francês caiu 11,1%, próximo do recuo de 11,4% do alemão DAX.

Houve sobretudo dois fatores que acabaram por conduzir à hecatombe bolsista na Europa. O arranque do dia foi marcado de forma negativa pela decisão da administração de Trump anunciar o fecho da “fronteira aérea” com a Europa como forma de tentar travar a propagação do coronavírus. Foi a derrocada para os títulos mais ligados ao setor do turismo e em particular às companhias de aviação.

Já no final da manhã, o BCE anunciava um pacote de estímulos que prevê o aumento do programa de compra de dívida e mais medidas de apoio a empresas e bancos, mas manteve a taxa de juro dos depósitos em -0,5%. O mercado estava à espera de mais.

Os índices europeus, que já singravam pelo vermelho, acentuaram ainda mais as perdas.

Por Lisboa, oito dos 18 títulos do PSI-20 acabaram por terminar a sessão com perdas acima de 10%. As grandes cotadas da bolsa de Lisboa acabaram por pesar de uma forma muito negativa no índice de referência.

A EDP derrapou 13,84%, para os 3,475 euros, enquanto a sua participada EDP Renováveis tombou 11,6%, para os 10,06 euros. Acima de 10% também foram as perdas registadas pela Galp Energia. As suas ações recuaram 10,09%, para os 8,45 euros, acima das quedas de 5% das cotações do petróleo nos mercados internacionais.

Já o BCP renovou mínimos históricos, com as suas ações a fecharam com um recuo de 9,23%, para os 11,31 cêntimos.

Banco liderado por Miguel Maya nunca valeu tão pouco

(Notícia atualizada às 17h11)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSI-20 afunda 10% para mínimos de 24 anos. Perde 5,5 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião