Trabalhadores sazonais podem ser despedidos e microempresas correm risco de fechar, alerta AHRESP

  • Lusa
  • 12 Março 2020

AHRESP alerta que empresas poderão ter que despedir os trabalhadores com contratos sazonais ou de curta duração. Metade das empresas de alojamento com quebras superiores a 40%.

A secretária-geral da AHRESP alertou esta quinta-feira para que, perante o surto do novo coronavírus, as empresas poderão ter que despedir os trabalhadores com contratos sazonais ou de curta duração, sublinhando que muitas microempresas correm o risco de fechar.

“É precisamente no início de março que as estruturas reforçam os seus quadros de pessoal. Alargaram os quadros e agora não têm procura que justifique. Agora têm que ver se conseguem fazer os pagamentos perante estes quadros. O que, eventualmente, irá acontecer é que terão de dispensar aqueles que são os mais sazonais e os que resultam de contratos mais curtos”, afirmou a secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), Ana Jacinto, em entrevista à Lusa.

No entanto, esta responsável notou que a associação, até ao momento, não teve conhecimento de despedimentos, embora saiba que muitas empresas estão já a avaliar essa possibilidade.

Por sua vez, no que se refere ao encerramento de empresas, Ana Jacinto sublinhou que há esse risco associado, sobretudo, às de dimensão micro.

“É isso que não queremos e temos estado a alertar o Governo. [Desejávamos] que no verão pudéssemos estar todos de cabeça levantada e a trabalhar com a força [habitual]. Se assumirmos todos um maior sentido de responsabilidade […] e respeitarmos à risca todas as medidas é mais fácil sairmos mais rapidamente desta situação”, referiu.

Questionada sobre os prejuízos registados no setor até à data, em função da propagação da Covid-19, Ana Jacinto disse que “ainda é cedo” para avançar números.

Porém, garantiu que a associação está a monitorizar todas as quebras registadas.

Criada em 1896, a AHRESP é uma associação de defesa e representação do turismo, contando, atualmente, com 25 mil associados registados.

Metade das empresas de alojamento com quebras superiores a 40%

Metade das empresas de alojamento registam já quebras de ocupação superiores a 40%, na sequência do desenvolvimento do novo coronavírus, percentagem que também se aplica às empresas da restauração, afirmou a secretária-geral da AHRESP à Lusa.

“Fizemos dois inquéritos, ao qual responderam mil associados, através dos quais uma das vertentes analisadas foi o impacto económico do Covid-19 no setor e, deste ponto de vista, estamos, de facto, muito preocupados”, defendeu a secretária-geral da Associação da Hotelaria, restauração e Similares de Portugal (AHRESP), Ana Jacinto, em entrevista à Lusa.

Na semana passada os primeiros dados revelavam que cerca de 30% das empresas do setor do alojamento estavam quebras nas taxas de ocupação/cama na ordem dos 15% a 30%, enquanto, neste momento, “fechámos mais inquérito e cerca de 50% do alojamento tem quebras na taxa de ocupação, que já são acima de 40%.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores sazonais podem ser despedidos e microempresas correm risco de fechar, alerta AHRESP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião