Apólice de seguro deixa maior rede britânica de pubs à mercê de Covid-19

  • ECO Seguros
  • 17 Março 2020

O Ei Group detém a maior rede de pubs no Reino Unido, reunindo mais de quatro mil estabelecimentos do setor, na maioria operados em regime de leasing por pequenos empresários.

O Ei Group, anteriormente conhecido como Enterprise Inns Plc e atualmente detido pela Stonegate, avisou os operadores dos bares de cerveja típicos das comunidades britânicas (pubs) de que o seguro associado aos contratos de leasing dos seus estabelecimentos não cobre perdas decorrentes de interrupção de negócio por causa do novo coronavírus (Covid-19).

De acordo com o jornal The Guardian, uma carta endereçada pela Ei aos gerentes da rede de pubs é taxativa: a apólice que a companhia contratou com a seguradora Zurich “não inclui o Covid-19” entre as doenças consideradas como notificáveis. Por isso, “qualquer estabelecimento afetado” pelo novo coronavírus “não poderá reclamar reembolso por perda de negócio”.

Descartando assim as hipóteses destes estabelecimentos poderem aceder a quaisquer compensações de seguro por descontinuação de negócio que resulte da propagação da pandemia, o Ei Group aconselha a comunidade de franchisados a procurarem outra forma de cobrir os riscos.

Através de uma operação de aquisição anunciada em agosto de 2019, por cerca de 1,27 mil milhões de libras (cerca de 1 400 milhões de euros), a Stonegate Pub Company tomou o controlo do Ei Group, emergindo como a maior operadora de pubs em Inglaterra e País de Gales, respondendo por uma rede de aproximadamente cinco mil estabelecimentos desta natureza.

Citado no site britânico The Morning Advertiser, Nick Griffin, dirigente da associação de operadores de pubs (Licensees Association), salientou que o setor vive uma falsa sensação de segurança, reforçada ainda pela mensagem de tranquilidade que as autoridades do Reino Unido tentam passar de que todos estão cobertos.

“Há muitos trabalhadores por conta própria no setor dos pubs que arriscam um pesadelo absoluto porque não vão poder pagar aos empregados”, notou Griffin.

Para dar resposta ao vazio que deixa milhares de empresários entregues à sorte, a associação disponibilizou o acesso a uma apólice de seguro cobrindo até 50 mil libras esterlinas para bares (cerca de 55,1 mil euros), e duas outras separadas com coberturas de até 150 mil e 250 mil libras disponíveis para estabelecimentos hoteleiros, sendo que o valor varia consoante a localização, refere a publicação.

Dado o risco de saúde pública, a associação abriu o acesso a estas apólices a empresários não-membros da organização.

Na República da Irlanda, o governo já ordenou o encerramento de todos os pubs na cidade de Dublin e arredores, por um período de duas semanas, por forma a conter a propagação da doença Covid-19.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apólice de seguro deixa maior rede britânica de pubs à mercê de Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião