Merlin prevê que impacto do coronavírus nas rendas será inferior a 10%

A empresa espanhola do setor imobiliário sinaliza que vai continua a acompanhar de perto a situação, tendo delineado planos de contingência para vários cenários.

A Merlin Properties prevê que a situação de incerteza gerada pela pandemia de coronavírus terá um impacto nas rendas brutas esperadas para 2020 de menos de 10%. Esta é uma estimativa inicial, sendo que a empresa sublinha que vai continuar a acompanhar e avaliar a situação.

“Considerando a política comercial de incentivos de renda, que procura partilhar o ónus da situação difícil atual com os inquilinos nos locais e empresas que não podem abrir ao público, e assumindo que o encerramento ordenado pelas autoridades dura até 31 de julho, o impacto nas rendas brutas previstas para 2020 será inferior a 10%”, diz a empresa, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Quanto às remodelações e desenvolvimentos em andamento, a empresa “continua a executar essas obras quando permitido pela estrutura legal”. No que diz respeito àquelas onde a construção ainda não foi iniciada, a Merlin considera que os tempos de início e execução dos projetos vai depender “da duração da atual situação de emergência”.

A empresa espanhola do setor imobiliário sinaliza ainda que vai continua a acompanhar de perto, “com toda a devida prudência, o estado das coisas, tendo construído vários cenários contingentes dependentes da duração da pandemia, e vai fornecer atualizações adicionais quando consideradas relevantes”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merlin prevê que impacto do coronavírus nas rendas será inferior a 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião