Novabase regressa ao PSI-20, substituindo a F. Ramada. Merlin vai ter de esperar

Resultado da revisão anual do índice ditou mudanças, mas o PSI-20 continua a contar com apenas 18 cotadas. Mudanças têm efeito a partir da próxima segunda-feira.

A Merlin Properties ainda não vai entrar no PSI-20, mas há mudanças no índice de referência nacional. A revisão anual do índice decidida pelo Comité do PSI-20, cujos resultados foram conhecidos esta quarta-feira, faz regressar uma cotada repetente — a tecnológica Novabase –, mas o total de títulos continua a ficar abaixo do número que lhe dá nome. Até porque há também uma saída.

No âmbito da revisão anual do índice, o Comité do PSI-20, que esteve reunido esta tarde para avaliar as mudanças propostas pela Euronext Lisboa, a gestora do mercado de capitais português, aprovou o regresso da tecnológica à principal “montra” da bolsa nacional, dois anos depois de ter sido despromovida para o PSI Geral.

Entra a Novabase, não a Merlin Properties, como pretendia. A empresa espanhola do setor imobiliário entrou na bolsa de Lisboa a 15 de janeiro após uma operação de dual listing, tendo dito logo que o objetivo era chegar ao PSI-20 para reforçar a visibilidade no mercado português. Acreditava que cumpria os requisitos para conseguir chegar ao índice de referência já, mas falhou. Num contexto de quebra dos mercados, a liquidez ficou aquém dos mínimos exigidos.

Ramada diz adeus. Troca de papel com a Novabase

Apesar de a Merlin ainda não cumprir os requisitos, vai haver mudanças. A Novabase, empresa líder no mercado português das Tecnologias de Informação, vai voltar ao PSI-20 na próxima segunda-feira. Cotada em bolsa desde 2000, a empresa liderada por João Nuno Bento atingiu, no último ano, lucros recorde de 20,4 milhões de euros, graças à venda do Negócio GTE (de análise de dados para os setores de governo, transportes e energia) à Vinci Energies por 33 milhões de euros.

Esta vai substituir a F. Ramada, que esteve dois anos no PSI-20, mas a reduzida liquidez do título acabou por levá-lo de volta ao PSI Geral. Há mais de 80 anos, a industrial nasceu do negócio do aço e acabou por expandir para os sistemas de armazenagem e gestão de ativos florestais. A F. Ramada foi ganhando dimensão de tal forma que, em 2008, acabou por ser separada da Altri, empresa de Paulo Fernandes, que é também dono da Cofina.

PSI-20 desde 2018 com apenas 18 cotadas

O PSI-20 continuará a negociar com o mínimo de cotadas e sem conseguir chegar ao número de componentes que lhe dá nome. Desde setembro de 2017 que o PSI-20 não tem 19 cotadas. As regras do índice determinam que não pode ter menos de 18 empresas cotadas, mas com a saída do BPI, no seguimento da OPA do CaixaBank, foi o que aconteceu durante um mês, no início de 2017.

A entrada da Novabase e da Ibersol levaram o número de componentes de volta para 19 em março desse ano, mas a exclusão das unidades de participação do Montepio em setembro de 2017 deixou o índice novamente no limite das regras. E assim se tem mantido há dois anos. A última mudança aconteceu na revisão anual de 2018, a Novabase regressou ao PSI Geral e a F.Ramada foi promovida ao PSI-20.

Em março, o PSI-20 é alvo de revisão anual. Além desta, há ainda revisões trimestrais, sendo que estas acontecem em junho, setembro e dezembro.

(Notícia atualizada)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novabase regressa ao PSI-20, substituindo a F. Ramada. Merlin vai ter de esperar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião