5 coisas que vão marcar o dia

Portugal vive mais um dia de pandemia do coronavírus, um tema que deverá marcar toda a atualidade. Entram em vigor as medidas do estado de emergência e o Governo tem nova reunião marcada.

A pandemia do coronavírus continua a dominar as notícias em todo o mundo. Por Portugal, entram em vigor as medidas concretas do Governo que concretizam o estado de emergência no país, sendo ainda um dia em que o Governo volta a reunir por causa do surto. Perto do meio-dia, as autoridades atualizarão o número de pessoas que se sabe terem a doença Covid-19, sendo já certo que o número de vítimas mortais irá subir com a notícia de mais um óbito em Ovar.

Governo publica decreto com medidas de emergência

As medidas anunciadas pelo Governo, que concretizam o estado de emergência decretado pelo Presidente da República, vão ser conhecidas com mais detalhe esta sexta-feira, quando for publicado o decreto que as regulamenta. Já se sabe que doentes com Covid-19 ou pessoas sob vigilância das autoridades de saúde terão de ficar obrigatoriamente em casa, sob pena de cometerem crime de desobediência. Estabelecimentos de atendimento ao público terão de fechar, salvo exceções.

Governo prossegue reunião do Conselho de Ministros

Depois do Conselho de Ministros desta quinta-feira, após o qual o primeiro-ministro António Costa anunciou também a constituição de um gabinete de crise para acompanhar a evolução da pandemia do coronavírus no país, o Governo prossegue a reunião num Conselho de Ministros extraordinário que terá lugar hoje. Está marcada uma conferência de imprensa para as 14h00.

DGS atualiza números da pandemia

À semelhança do que acontece desde o começo do surto em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) deverá emitir, por volta do meio-dia, o boletim epidemiológico com o número de casos de infeção pelo novo coronavírus registados no país. A última atualização apontava para 785 casos conhecidos. Na quinta-feira à tarde foi confirmada mais uma morte provocada pela doença, elevando para quatro o número de vítimas mortais do surto no país.

Volatilidade continua nas bolsas. E que caminho tomará o petróleo?

Espera-se mais um dia de alta volatilidade nas bolsas, à medida que os investidores vão encarando os riscos económicos da pandemia do coronavírus à escala global. Em foco estará também o petróleo: depois do afundanço na quarta-feira, o preço da matéria-prima disparou 25% em Nova Iorque na quinta-feira, a maior subida de sempre, provocada pela notícia de que os EUA se estejam a preparar para intervir no braço de ferro entre a Arábia Saudita e a Rússia, que levou os sauditas a acelerarem a produção de crude, precipitando o valor das cotações. Ainda assim, o crude continua a cotar abaixo dos 30 dólares.

DBRS avalia dívida pública portuguesa

A agência canadiana DBRS, que durante a crise financeira permitiu o acesso de Portugal ao programa de compra de ativos do BCE, tem nova avaliação marcada ao país para esta sexta-feira. Analistas sondados pela Lusa disseram não esperar mudanças no rating soberano português devido ao impacto económico da Covid-19.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião