Número de infetados com coronavírus já ultrapassa os 300 mil em todo o mundo. Vítimas mortais são mais de 13 mil

Na China já só há novos casos importados. Agora a situação é mais grave em Itália, Espanha e Estados Unidos.

A última contabilização revelava que 303.720 pessoas testaram positivo para o novo vírus Covid-19, de acordo com dados da universidade Johns Hopkins, relativos ao final da tarde de sábado. E já morreram mais de 13 mil pessoas e mais de 95 mil já recuperaram.

Este escalada no número de infetados resulta também do número crescente de casos nos Estados unidos que já conta com 24.148 casos, o que o coloca agora entre os países mais afetado pela pandemia a nível mundial. Apenas a China, Itália e Espanha têm uma situação mais grave. De acordo com o Covid Tracking Project, os Estados Unidos já levaram a cabo 150 mil testes, mas os números deverão tornar-se mais expressivos à medida que mais pessoas são testadas. Nova Iorque é um dos Estados mais afetados, tal como a Califórnia que fecharam todas as atividades que não são consideradas essenciais. Os especialistas receiam que, ao longo dos próximos meses, 650 mil pessoas pessoas possam ser infetadas no país, ainda que sejam tomadas medidas de contenção. Até agora morreram 348 pessoas no país.

Donald Trump negou que tenha respondido tarde à pandemia, depois de o The Washington Post ter noticiado que as agências de inteligência norte-americanas tinham emitido advertências em janeiro e fevereiro último sobre o perigo global que representa o novo coronavírus. O jornal referiu que tanto o Presidente norte-americano, como os legisladores minimizaram a ameaça e não tomaram medidas.

Na Europa são cada vez mais os países que impõem o estado de emergência — em Portugal as medidas mais restritivas entraram em vigor às meia noite deste sábado — tendo em conta o ritmo de evolução da pandemia. Itália continua a ser o país europeu em situação mais crítica com 53.578 infetados e 4.825 pessoas que morreram. Em Espanha há 25.496 infetados e morreram 1.381 pessoas. Países onde os sistemas de saúde são confrontados com um pico de casos aos quais não conseguem dar resposta.

Em Portugal os últimos dados da Direção Geral de Saúde davam conta 1.280 infetados e 12 vítimas mortais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de infetados com coronavírus já ultrapassa os 300 mil em todo o mundo. Vítimas mortais são mais de 13 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião