Número de infetados com coronavírus já ultrapassa os 300 mil em todo o mundo. Vítimas mortais são mais de 13 mil

Na China já só há novos casos importados. Agora a situação é mais grave em Itália, Espanha e Estados Unidos.

A última contabilização revelava que 303.720 pessoas testaram positivo para o novo vírus Covid-19, de acordo com dados da universidade Johns Hopkins, relativos ao final da tarde de sábado. E já morreram mais de 13 mil pessoas e mais de 95 mil já recuperaram.

Este escalada no número de infetados resulta também do número crescente de casos nos Estados unidos que já conta com 24.148 casos, o que o coloca agora entre os países mais afetado pela pandemia a nível mundial. Apenas a China, Itália e Espanha têm uma situação mais grave. De acordo com o Covid Tracking Project, os Estados Unidos já levaram a cabo 150 mil testes, mas os números deverão tornar-se mais expressivos à medida que mais pessoas são testadas. Nova Iorque é um dos Estados mais afetados, tal como a Califórnia que fecharam todas as atividades que não são consideradas essenciais. Os especialistas receiam que, ao longo dos próximos meses, 650 mil pessoas pessoas possam ser infetadas no país, ainda que sejam tomadas medidas de contenção. Até agora morreram 348 pessoas no país.

Donald Trump negou que tenha respondido tarde à pandemia, depois de o The Washington Post ter noticiado que as agências de inteligência norte-americanas tinham emitido advertências em janeiro e fevereiro último sobre o perigo global que representa o novo coronavírus. O jornal referiu que tanto o Presidente norte-americano, como os legisladores minimizaram a ameaça e não tomaram medidas.

Na Europa são cada vez mais os países que impõem o estado de emergência — em Portugal as medidas mais restritivas entraram em vigor às meia noite deste sábado — tendo em conta o ritmo de evolução da pandemia. Itália continua a ser o país europeu em situação mais crítica com 53.578 infetados e 4.825 pessoas que morreram. Em Espanha há 25.496 infetados e morreram 1.381 pessoas. Países onde os sistemas de saúde são confrontados com um pico de casos aos quais não conseguem dar resposta.

Em Portugal os últimos dados da Direção Geral de Saúde davam conta 1.280 infetados e 12 vítimas mortais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de infetados com coronavírus já ultrapassa os 300 mil em todo o mundo. Vítimas mortais são mais de 13 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião