Está sempre a lavar as mãos? Quercus lança novo simulador para ajudar a poupar água

  • ECO e Lusa
  • 23 Março 2020

A ferramenta online, disponível em www.ecocasa.pt e associada ao Dia Mundial da Água, que se assinalou no domingo, permite aos cidadãos medirem os seus consumos domésticos de água.

A associação ambientalista Quercus lançou esta segunda-feira um novo simulador online para medir o consumo da água em casa e adotar medidas de poupança, num momento em que o combate à Covid-19 exige uma maior utilização deste recurso.

O simulador, disponível em www.ecocasa.pt e associado ao Dia Mundial da Água, que se assinalou no domingo, permite aos cidadãos medirem os consumos e perceberem se gastam água acima da média do seu distrito ou, se por outro lado, “são eficientes” e consomem abaixo da média, indicou a Quercus, em comunicado.

“No caso de se sentirem ineficientes, poderão contactar a equipa do projeto que lhes sugerirá medidas de melhoria que depois de implementadas, pretendem representar poupanças significativas deste recurso“, acrescentou aassociação.

A Quercus sublinhou também que “a poupança de água está diretamente relacionada com boas práticas que depois de interiorizadas se tornam um hábito comum em casa de cada um de nós. Recordando uma vez mais a fase que vivemos, convém reforçar que sem água não há vida e por isso, temos um papel fundamental na sua proteção e valorização. Com pequenos gestos poderemos ainda ir a tempo de salvar este bem tão precioso”.

Este simulador foi desenvolvido pelo projeto ECOCASA com a colaboração das empresas: MakeItDigital, Zypho e Heaboo.

“Comemorou-se [no domingo, 22 de março] o Dia Mundial da Água. Numa fase em que é a água que nos está a salvar a vida, a Quercus vem lembrar a importância da sua preservação e lança simulador online dirigido à poupança. Nesta fase do combate ao contágio por COVID-19, o recurso “água” ganha uma importância acrescida, é um facto que neste estado de Emergência de Saúde Publica de Âmbito Internacional, conseguimos facilmente apercebermo-nos de que a água é a nossa maior protetora, já que muitos os gestos de prevenção, como lavar bem as mãos com frequência e desinfetá-las convenientemente, sem água não seriam possíveis“, frisa a Quercus.

A associação ambientalista cita dados da Organização das Nações Unidas (ONU): mais de 2,7 mil milhões de pessoas deverão sofrer com a falta de água em 2025, se o consumo global continuar nos níveis atuais. Já segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) apenas metade dos países possui um sistema de referência clínica para a COVID-19, como o programa nacional de prevenção e controle de infeções e padrões WASH (água, saneamento e higiene) em todas as unidades de saúde.

“Fica claro que controlar o uso da água significa deter poder, ou não estivéssemos a viver uma das maiores pandemias causadas por um vírus, que não sobrevive se estivermos continuamente a lavar as mãos e a limpar e desinfetar superfícies impedindo a sua propagação“, diz a associação de defesa da natureza, acrescentando: “Mas a água não tem impacte só no setor da saúde. É necessária para a produção de alimentos, energia, abastecimento doméstico e sanitário, indústria e para a toda sustentabilidade ambiental do Planeta Terra. É, portanto, cada vez mais imprescindível uma gestão adequada deste recurso. E, lembrando uma vez mais que a água ajuda no combate contra o contágio por COVID-19, não nos devemos esquecer da sua escassez. Nunca é demais recordar como se deve agir para racionalizar e poupar um recurso precioso e essencial à vida”.

A Quercus analisou a utilização de água em Portugal através de um inquérito online, realizado entre 21 de fevereiro e 21 de março e reuniu 1.075 respostas completas, concluindo que a maioria dos participantes já deixou de tomar banho de imersão – 82% revelou que nunca tomam banho de imersão e apenas 18% diz tomar uma média de quatro banhos de imersão por ano.

“Já sobre o custo da água, a maioria dos portugueses considera que a água é um recurso caro (67%)“, revelou o inquérito.

“Neste inquérito também se verificou que, no universo de inquiridos que se preocupam com a poupança de água, a maioria não possui autoclismos de dupla descarga, o que é hoje em dia um acessório muito comum e ainda há quem não saiba do que se trata. Convém lembrar que cada descarga de autoclismo comum gasta entre 10 a 15 litros de água“, lê-se no documento

O estudo revelou que quase todos os portugueses que responderam ao inquérito (99,3%) tem noção de que a água é um bem escasso e destes, 92% diz preocupar-se diariamente em poupar água. Quase metade dos portugueses (44%), demora menos de oito minutos no duche.

A maioria dos inquiridos que se preocupam em poupar água em casa não faz ideia de quanto gasta uma torneira: se aberta durante um minuto pode consumir 12 litros de água. “E se pensarmos que se cada português mantiver a torneira aberta desnecessariamente, durante um minuto, tal representa um desperdício de 120 milhões de litros de água; estes 120 milhões de litros de água garantem as necessidades básicas diárias de um milhão de pessoas“, remata a Quercus.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Está sempre a lavar as mãos? Quercus lança novo simulador para ajudar a poupar água

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião