Coronavírus. Governo francês apela aos desempregados para irem trabalhar para o campo

  • Lusa
  • 24 Março 2020

"Façamos um ato cívico, vamos para o campo", sublinhou o ministro da Agricultura francês, apelando a que os desempregados escolham ir trabalhar para o campo.

O ministro da Agricultura francês apelou, esta terça-feira, aos desempregados franceses e às pessoas que se encontrem sem atividade devido às medidas de confinamento desencadeadas pela covid-19 para trabalharem no setor agrário, que tem atualmente 200.000 vagas de emprego.

“Façamos um ato cívico, vamos para o campo”, sublinhou hoje o ministro Didier Guillaume numa entrevista ao canal BFMTV, na qual destacou que o problema para os agricultores não é não poderem pagar aos trabalhadores, mas sim o facto de não haver mão-de-obra disponível, em parte porque muitos trabalhadores temporários são estrangeiros e estão nos seus países.

Por isso, afirmou que “os agricultores acolherão muito bem” quem responda a este apelo. A presidente do principal sindicato agrícola francês, FNSEA, Christiane Lambert, apresentou uma plataforma online batizada “Braços para o teu prato” para pôr em contacto os potenciais candidatos com os agricultores.

Numa conferência de imprensa através do Twitter, Lambert deu como exemplo a situação dos produtores de espargos do sul do país, que não os podem apanhar por falta de mão-de-obra.

Lambert também se queixou de que chegaram espargos e morangos procedentes de Espanha a preços baixos, que a grande distribuição está a pôr à venda em lugar de o fazer com produtos franceses, aos quais o comércio deveria dar prioridade.

O titular da pasta da Economia, Bruno Le Maire, juntou-se a este apelo e pediu aos grandes grupos de distribuição para se abastecerem com produtos franceses, especialmente depois da decisão do Governo de proibir os mercados ao ar livre.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus. Governo francês apela aos desempregados para irem trabalhar para o campo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião