Covid-19: Suspensas obras de projeto de 260 milhões na mina de Neves-Corvo

  • Lusa
  • 24 Março 2020

A Lundin Mining decidiu suspender temporariamente as obras para expandir a produção de zinco na mina de Neves-Corvo, no Alentejo, num projeto que ronda os 260 milhões de euros.

A companhia sueco-canadiana Lundin Mining suspendeu as obras e atividades do projeto de 260 milhões de euros para expandir a produção de zinco na mina de Neves-Corvo, no Alentejo, devido à pandemia de covid-19.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Lundin Mining, dona da empresa Somincor, a concessionária da mina de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, distrito de Beja, refere que “as atividades de construção e comissionamento diretamente relacionadas com o Projeto de Expansão do Zinco” (PEZ) no complexo mineiro “foram temporariamente suspensas”.

Segundo a presidente da Lundin Mining, Marie Inkster, citado no comunicado, a companhia suspendeu as atividades do PEZ “com o objetivo de reduzir o risco” de exposição das comunidades locais, funcionários e empreiteiros ao novo coronavírus que provoca a doença covid-19.

“Como a força de trabalho do projeto inclui muitos trabalhadores de empreiteiros que viajam de outras regiões de Portugal e de outros destinos internacionais, o risco é que o vírus possa ser levado para a região do Alentejo por pessoas que viajam para trabalhar no projeto”, explicou Marie Inkster.

A saúde e a segurança de comunidades locais, funcionários e empreiteiros são “da maior importância” e, por isso, a companhia suspendeu as obras e atividades do PEZ para “reduzir os riscos para estes e o risco de disrupção significativa para o negócio”, referiu Marie Inkster.

A companhia frisa que está a avaliar os impactos da suspensão temporária do PEZ nos prazos e no orçamento e “fornecerá uma atualização assim que estejam concluídas as avaliações”.

A Lundin Mining refere que “tem a saúde e a segurança como prioridade” e todas as suas operações estão a responder à covid-19 no âmbito do plano de resposta da companhia à pandemia e das recomendações e dos requisitos das autoridades de saúde.

Todas as operações e escritórios da Lundin Mining implementaram planos de restrição de viagens não críticas, limitaram os visitantes externos e mantêm apenas os considerados críticos para o negócio e instruíram os funcionários e empreiteiros que tenham tido contacto ou exposição acidental com alguém diagnosticado com covid-19 e os que efetuaram viagens internacionais a ficar em casa por 14 dias e independentemente de terem ou não sintomas.

A Lundin Mining e as suas operações estão a monitorizar e a implementar medidas para assegurar a continuidade do negócio e mitigar e minimizar potenciais impactos da pandemia que possam surgir nas operações, cadeia de abastecimento e atividades comerciais e financeiras.

Até hoje, “não se registou qualquer impacto significativo na produção ou na expedição de concentrado” e “não foi registada qualquer perturbação significativa na cadeia de abastecimento” das operações da Lundin Mining devido à pandemia de covid-19, refere a companhia.

Segundo Marie Inkster, a Lundin Mining está “numa posição financeira forte, com um excelente balanço e operações de alta qualidade” e “bem posicionada para manter a estabilidade” e continuará “a trabalhar proativamente para proteger a saúde” da companhia, dos parceiros e das comunidades locais “enquanto navegamos neste tempo de incerteza”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 386 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 17.000. Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.077 mortos em 63.927 casos. Segundo as autoridades italianas, 7.024 dos infetados já estão curados.

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, onde a epidemia surgiu no final de dezembro, conta com mais de 81.000 casos, tendo sido registados 3.277 mortes. Nas últimas 24 horas a China reportou 78 novos casos, sendo quatro de contágio local e os restantes importados.

As 74 infeções importadas do exterior levantam receios de nova onda de contágio. Depois de cinco dias sem novas infeções locais, foi reportado um novo caso local, em Wuhan.

Os países mais afetados a seguir à Itália e à China são a Espanha, com 2.696 mortos em 39.673 infeções, o Irão, com 1.934 mortes num total de 24.811 casos, a França, com 860 mortes (19.856 casos), e os Estados Unidos, com 499 mortes (41.511 casos). Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, há 30 mortes, mais sete do que na véspera, e 2.362 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista mais 302 casos do que na segunda-feira.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00h00 de quinta-feira e até às 2h59 de 02 de abril.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Suspensas obras de projeto de 260 milhões na mina de Neves-Corvo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião