FCT financia 1,5 milhões de euros para investigação de aplicação rápida no SNS

  • Lusa
  • 24 Março 2020

Chama-se RESEARCH 4 COVID-19 e é uma linha de financiamento excecional para mobilizar a capacidade científica e tecnológica existente em Portugal ao serviço do combate ao novo coronavírus.

A Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) lançou esta terça-feira uma linha de financiamento de 1,5 milhões de euros para investigações de “implementação rápida”, em curso ou a desenvolver, que respondam a necessidades atuais do Serviço Nacional de Saúde.

A ‘RESEARCH 4 COVID-19’ é “uma linha de financiamento excecional”, lançada em colaboração com a Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica (AICIB) que “tem por objetivo mobilizar a capacidade científica e tecnológica existente em Portugal ao serviço do combate ao novo coronavírus e da covid-19, complementando as iniciativas já existentes e estimulando a reorientação de atividades em curso para este grande desafio”, explica a FCT em comunicado.

A FCT pretende apoiar iniciativas “com impacto expectável a curto prazo, e que contribuam para o esforço nacional de gestão da crise epidemiológica, para a melhoria da resposta dos sistemas de saúde” à epidemia de covid-19, assim como para a gestão de doentes e aplicação de medidas de saúde pública, em linha com as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A primeira fase de candidaturas decorre até às 17:00 de dia 05 de abril. “O segundo período terá em conta a evolução da situação e só será anunciado findo o primeiro período”, acrescenta o comunicado, que ressalva a “evolução dinâmica e rápida da situação e o contexto de incerteza”.

O financiamento de cada projeto será até 30 mil euros, para além dos recursos próprios associados a reorientação de equipas e atividades” de investigação e desenvolvimento nas unidades já apoiadas pela FCT, explica a instituição, que acrescenta “nesta fase, e desde já, a FCT disponibilizará uma dotação orçamental de 1,5 milhões de euros para este programa, a financiar por fundos nacionais através do orçamento da FCT”.

Os projetos candidatos podem orientar a sua investigação para “novas ferramentas de prevenção, desenvolvimento terapêutico, métodos de diagnóstico, estudos clínicos e epidemiológicos”, enumera o comunicado, acrescentando ainda à lista atividades de investigação “que incluam uma componente sociocultural e ações de promoção de uma sociedade resiliente com capacidade de enfrentar o atual contexto de incerteza em que vivemos, sobretudo na população mais idosa e em grupos de maior risco”.

Podem candidatar-se unidades de investigação das instituições de ensino superior e os seus institutos, laboratórios do Estado e outras instituições públicas ou privadas sem fins lucrativos, que podem apresentar projetos de forma individual ou em parceria, “sendo obrigatória a participação de serviços e entidades prestadoras de cuidados de saúde”. As empresas podem participar nas candidaturas, “desde que em parceria com instituições de investigação”.

As propostas vão ser avaliadas por uma comissão de peritos designados pela FCT e pela AICIB, com os resultados do primeiro período de candidaturas a serem conhecidas até 20 de abril.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FCT financia 1,5 milhões de euros para investigação de aplicação rápida no SNS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião