Oito dicas – além das óbvias – para poupar energia em casa

Em contextos de quarentena devido ao surto do novo coronavírus, a Coopérnico selecionou oito dicas menos óbvias para ajudar a poupar eletricidade, o ambiente e a carteira. 

“Já sabemos que devemos desligar as luzes quando não estamos na divisão, desligar os aparelhos quando não os estamos a utilizar, trocar as nossas lâmpadas por LED’s ou até evitar ao máximo utilizar equipamentos como aquecedores ou ar condicionado. Que outras medidas podemos ter em consideração quando os objetivos são poupar e fazer um consumo consciente e responsável?“.

A dúvida é deixada no ar pela Coopérnico, a primeira e única Cooperativa de Energias Renováveis no país, que nos últimos anos se tem dedicado à democratização do setor energético e que muito recentemente, em fevereiro, se lançou no mercado liberalizado como comercializador de energia elétrica para Portugal Continental, sob o compromisso de “produzir tanta energia renovável quanto aquela que é consumida pelos seus clientes”.

Em contextos de quarentena devido ao surto do novo coronavírus, a Coopérnico selecionou assim oito dicas menos óbvias para ajudar a poupar eletricidade, dinheiro e o ambiente.

Além dos conselhos mais habituais, conheça ainda outros truques de poupança energética doméstica.

1 – Saber a fonte dos consumos energéticos na sua habitação (em particular os elétricos)

Informação é poder. Ter a consciência do peso de cada eletrodoméstico no consumo e, consequentemente na fatura da eletricidade, ajuda-nos a racionalizar sobre a utilização dos mesmos.

Para saber de onde provêm os seus consumos pode:

  • Instalar sistemas de medição inteligente;
  • Falar com especialistas/realizar uma auditoria energética.

Habitualmente, o consumo divide-se da seguinte forma:

2 – Consumir eletricidade quando há mais produção de fontes renováveis

Mudar o contrato para o tarifário bi-horário e alterar os seus maiores consumos de eletricidade para o período vazio pode gerar poupança na sua fatura e reduzir as emissões de carbono.

A eletricidade consumida, que provém da rede, pode ser mais limpa devido a uma maior produção proveniente das fontes renováveis (como solar ou eólico) combinado com uma redução de produção das fontes fósseis em certos momentos do dia. No caso da energia eólica, estes períodos correspondem, normalmente, ao período vazio dos tarifários elétricos, daí a importância do tarifário bi-horário.

3 – Utilização correta dos eletrodomésticos

É preciso utilizar corretamente os eletrodomésticos para conseguir poupar ao máximo energia e dinheiro:

No caso do frigorífico e congelador é preciso:

  • Colocar o frigorífico a mais de 10 cm de distância da parede;
  • Colocar o frigorífico longe de fontes de calor, como o forno;
  • Deixar arrefecer a comida antes que a colocar no frigorífico.

No caso das máquinas de lavar loiça e roupa:

  • Carregar completamente as máquinas antes de executar o programa;
  • Executar programas com temperatura mais baixa, quando possível, ou com ciclos adequados às cargas que levam.

4 – Isolar corretamente os espaços

Ao isolar de forma correta a sua habitação poderá reduzir ou até mesmo eliminar as necessidades de aquecimento e arrefecimento dos espaços. Um exemplo é trocar as janelas de vidro simples, para outras de vidro duplo com corte térmico. Antes disto acontecer, também pode aplicar fitas isoladoras nas portas e janelas.

5 – Desligar os aparelhos em standby

Ao fim do dia, deverá desligar os aparelhos que se encontram em standby, diretamente na tomada. Para ajudar nessa tarefa. Considere a compra de “smart-plug” ou uma tomada inteligente que pode programar para desligar os equipamentos a partir de uma certa hora.

6 – Investir num sistema de autoconsumo

Já pensou em produzir a sua própria energia elétrica? Então pode investir num sistema de autoconsumo para produção de energia renovável para a sua casa. Desde o final do ano de 2019 pode inclusive ir mais longe e motivar os seus vizinhos a, em conjunto, construírem uma comunidade de energia. Dessa forma, poderá ajudar a otimizar o consumo da produção local proveniente das fontes renováveis e facilitar a instalação de mais sistemas de produção verdes (ao mesmo tempo que poupa na sua fatura de energia).

7 – Fazer o registo no ID-energia

Existe uma ferramenta online – www.idenergia.pt – que permite monitorizar os seus consumos (eletricidade, gás, água, gasolina e gasóleo) e compará-los com os de outros utilizadores, para que saiba se os seus consumos são ou não eficientes. Esta ferramenta é independente dos comercializadores.

8 – Procure o melhor tarifário

Através da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) pode conferir e comparar todas as ofertas para energia e gás natural para sua casa. As simulações são personalizadas pelo que poderá chegar à melhor oferta que responda às suas necessidades.

No blog Poupa Watts, disponível no site da Cooperativa Coopérnico, podem encontrar-se mais dicas de poupança de energia e até soluções para produzir ou contratar energia renovável, fornecida por painéis fotovoltaicos comunitários e/ou particulares e, assim, assistir na primeira pessoa a uma mudança na fatura energética.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oito dicas – além das óbvias – para poupar energia em casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião