Do queijo à lingerie, CTT estão a ajudar a abrir até 90 lojas online por dia

Centenas de pequenas e médias empresas estão a recorrer à nova plataforma dos CTT e do Governo que ajuda a abrir lojas online para a venda de produtos. O ritmo é já de 80 a 90 novas lojas por dia.

Em apenas uma semana, centenas de pequenas e médias empresas recorreram à nova plataforma dos CTT CTT 0,00% para criarem 400 lojas online, na esperança de conseguirem continuar a vender os seus produtos. Desde que a iniciativa “Criar Lojas Online” foi lançada, na quinta-feira da semana passada, em conjunto com o Ministério da Economia e da Transição Digital, o ritmo tem sido de 80 a 90 novas lojas por dia, revelou o administrador João Sousa.

“Desde negócios de queijo a vinhos, lingerie… vamos ajudar a divulgar estes negócios”, disse ao ECO o gestor dos CTT, grupo que tem vindo a lançar uma série de medidas para clientes particulares e para empresas, na tentativa de mitigar os impactos económicos da pandemia do coronavírus e de puxar pelo crescimento da própria empresa de correios. Com os portugueses isolados em casa, o foco da marca é, mais do que nunca, o comércio eletrónico.

“Portugal nunca foi dos países da Europa com maior consumo de ecommerce. Crescia bastante, mas menos do que noutros países”, recorda João Sousa. Mas apesar dos impactos negativos do Covid-19, aos quais nenhuma empresa é imune, a pandemia “alterou esse paradigma”. “Isso é positivo para nós, porque uma das nossas apostas é o segmento do ecommerce“, admite o gestor, em videochamada.

Com a economia e a sociedade a mudarem tão rapidamente, “a empresa CTT, ao ver isto, percebe que tem de se adaptar mais rápido para estar na pole position [liderança]”, explica o gestor. O serviço “Criar Lojas Online” é um exemplo dessa adaptação, com a empresa a propor ao tecido empresarial português uma gestão “rápida e simples” das respetivas lojas virtuais e, claro, a “integração para o envio de todas as encomendas através dos CTT”.

“1.400 a 1.500” pessoas, ou 86% dos trabalhadores do grupo, excluindo o departamento de distribuição, estão já em modo de teletrabalho, fora da sede dos CTT. Há reuniões diárias do gabinete de crise e da comissão executiva, onde se avalia permanentemente o impacto da pandemia nas operações e no negócio do grupo. No terreno mantêm-se os carteiros e outros trabalhadores da distribuição, os quais a administração garante ter feito um “investimento avultado em material” de proteção. Já há, contudo, pelo menos um caso confirmado de Covid-19 entre os trabalhadores do grupo, nomeadamente em Ermesinde.

Com a empresa a preparar-se para publicar os indicadores de qualidade do serviço universal postal — que o presidente executivo, João Bento, já admitiu serem “impossíveis” de cumprir –, João Sousa garante que o momento atual é exemplo do trabalho que a equipa tem vindo a fazer. “É nestes momentos difíceis que se nota que o trabalho que estava a ser feito e continua a ser feito pela empresa estava bem feito. Vem uma pandemia destas e os CTT continuam a trabalhar, a entregar, e todas as outras empresas vêm ter connosco, para sermos motor da economia”, sublinha João Sousa.

Para já, o impacto mais visível da pandemia nos CTT regista-se nos mercados financeiros. A empresa tem afundado em bolsa, acompanhando a derrocada generalizada nos ativos de risco, cotando em mínimos e significativamente abaixo do valor do IPO. “Acho que é uma queda das ações alinhada com tudo o que aconteceu no mercado de capitais”, conclui João Sousa, apesar de reconhecer que a administração “tem sempre pressão para fazer esta ação crescer”.

Evolução das ações dos CTT na bolsa de Lisboa

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Do queijo à lingerie, CTT estão a ajudar a abrir até 90 lojas online por dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião