Yosemite, ioga ou jazz? 7 coisas para fazer no fim de semana, sem sair de casa

Exercício físico, concertos, cinema e até aulas de ioga e meditação. Tome nota de tudo o que pode fazer nos próximos dois dias para relaxar... e sem sair de casa.

Em tempos de quarentena, as atividades que fazíamos em grupo, ao ar livre e, no tempo que nos sobrava, estão a migrar para as redes sociais como o Instagram ou para plataformas de vídeo como o Zoom ou o Skype. Escrita criativa, ioga e meditação, encontros virtuais com escritores, sessões de cinema via computador e um festival de música online foram algumas das opções que temos para ocupar o tempo, e à distância de um ecrã. É que, nesta altura, em tempos de coronavírus, ficar em casa é mesmo o melhor remédio.

Visite parques naturais

Os tempos não estão para nos metermos num avião para parte incerta: as recomendações das autoridades de saúde remetem para o mínimo contacto social por estes dias mas o Google tem outros planos para nós. É que a versão que o Google Earth acaba de lançar permite fazer visitas virtuais a 31 dos mais incríveis parques nacionais dos Estados Unidos. Assim, a partir de agora, do seu computador é possível sobrevoar o parque de Yosemite, conhecer os recantos do Grand Canyon ou memorizar os detalhes dos crocodilos que se podem ver no Everglades.

Faça exercício físico

O recém-inaugurado Circle teve de fazer pivoting ao negócio pouco mais de um mês depois de abrir portas. O ginásio que valoriza a potenciação do movimento criou um plano de atividades e aulas, sugestões de leitura e círculos de conferências que podem ser acompanhadas sem sair de casa e gratuitamente.

“Pretendemos partilhar com o máximo de pessoas possível, porque para além de ter um impacto muito positivo no estilo de vida e rotina diária, são gratuitos para membros e não membros”, assinala Noor Palma, diretora-geral do Circle.
Entre as iniciativas estão o Circle Workout, um treino semanal adaptado ao espaço de casa, as Circle Online Classes, de segunda a sábado, online e em direto, às 9h e às 18:30h, e feitas através da plataforma ZOOM.us, e o Circle Challenge, desafios semanais “que testam os limites do teu corpo e do teu movimento”. Para participar, basta contactar o ginásio através das redes sociais.

Veja um concerto em Veneza

A Belmond lança este fim de semana os “Convites Belmond”, concertos virtuais desenhados para levar o entretenimento a casa dos seguidores do grupo hoteleiro que é dono do Reid’s Palace, na Madeira. A ideia é que, enquanto o mundo das viagens se encontra em pausa, o perfil de Instagram da Belmond tenha um movimento exemplar.

O primeiro concerto foi do cantor e pianista Joe Stilgoe, em honra aos “loucos anos 20”, uma festa que iria ter lugar em Veneza, a bordo do comboio da marca, o Venice Simplon-Orient-Express, mas haverá mais, sempre anunciadas no Instagram da cadeia.

A Belmond convida ainda a seguir as stories de Instagram dos seus hotéis de Itália, Espanha e Portugal para aprender receitas de cocktails e comida de conforto. “O chef Agostino d’Angelo do Belmond Villa Sant’Andrea na Sicília, abre a sua cozinha a 2 de abril para ensinar os segredos para fazer a perfeita “Pasta Alla Norma”. Já no dia 8 de abril é a vez do Barman Walter Bolzonella do Belmond Hotel Cipriani, que irá partilhar um dos seus cocktails preferidos, o Spritz com um twist. O Chef Luís Pestana do Belmond Reid’s Palace, no Funchal, entra em ação no dia 22 de abril, com a partilha de uma receita tradicional da ilha da eterna primavera”, explica o grupo em comunicado.

Faça uma aula de ioga e cozinhe o pequeno-almoço em direto

A aula de ioga com Vera Simões, professora do Ashtanga Cascais e autora do livro Parar.Sentir.Respirar, está marcada para as 9h30 de domingo e vai durar 40 minutos. À sequência fluida de movimentos e posturas segue-se… um pequeno-almoço cozinhado em comunidade mas, à distância. Joana Limão passa à ação e ensina os participantes a cozinhar panquecas de banana recheadas de fruta, creme de coco e pedaços de chocolate.

Já com apetite? Anote a lista de compras.

Coma um Santini

Depois de ter anunciado a estreia nas entregas através da plataforma Uber Eats, a Santini lança agora o seu próprio serviço de entregas em casa, pensado para “quem não está dentro do raio de entrega das plataformas digitais” agora que as lojas da marca se encontram encerradas.

“Neste novo serviço, os sabores, que estão anunciados nas redes sociais e no site da Santini, estão disponíveis para encomenda em caixas de ½ litro e de 1 litro. Para acompanhar, pode pedir brownies, uma deliciosa tarte de amêndoa, cones grandes e pequenos, e ainda altesses, com ou sem chocolate”, assinala a Santini em comunicado. As entregas estão disponíveis nos seguintes concelhos: Lisboa, Oeiras, Cascais, Sintra, Odivelas e Amadora. Para realizar o pedido é apenas necessário enviar um email para a marca – geral@santini.pt – com o que pretende, e, no dia seguinte terá a sua encomenda à porta. Os pedidos têm um valor mínimo de 20€, sem qualquer taxa de entrega.

Programe o seu próprio jogo

A escola de programação Ironhack lançou uma série de webinars chamada “Use Your Time Wisely”, que pretende incentivar os seus assistentes a usar, “de forma sábia”, o tempo livre resultante da permanência em casa, consequência da situação de quarentena. A formação oferecida pela escola é gratuita e está focada dos cursos que a Ironhack já oferece, casos de Web Development, Data Analytics e UX/UI Design.

A agenda dos webinars pode ser consultada aqui e inclui formação para programar o seu próprio jogo com JavaScript, visualizar/analisar dados com recurso a Python, ou em perceber como o estudo do comportamento humano está na base de qualquer experiência do utilizador de sucesso. “Vivemos tempos de incerteza, nos quais é importante poder contar com a comunidade. Através desta iniciativa, que tem um cariz global, queremos unir as pessoas em torno da tecnologia, pondo o nosso conhecimento à disposição”, explica Carmen Ortega, growth manager da Ironhack Lisboa.

Vá à Ópera em Paris

A coleção Google dá-lhe ainda a possibilidade de explorar mais de 500 museus e galerias um pouco por todo o mundo, como é o caso do Museu Vang Gogh, em Amesterdão, do British Museum, em Londres, ou o Guggenheim, em Nova Iorque. Mas há mais: as visitas 360º dão a possibilidade ao visitante virtual de ir, por exemplo, à Ópera Nacional de Paris.

Desde 2015, a biblioteca interativa Google Arts & Culture integra 57 palácios e museus portugueses classificados como as “Maravilhas de Portugal”. O Mosteiro dos Jerónimos, Mosteiro da Batalha, Mosteiro de Alcobaça, Palácio da Pena, Vila de Óbidos ou o Castelo de Guimarães são alguns dos locais que podem ser visitados, apenas à distância de um clique.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Yosemite, ioga ou jazz? 7 coisas para fazer no fim de semana, sem sair de casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião