Wall Street recupera. Johnson&Johnson vai testar vacina e soma quase 4%

Bolsas dos EUA recuperam, numa sessão que se espera de altos e baixos. Amazon, Apple e Microsoft, mas também a Johnson&Johnson, que se prepara para testar uma vacina para o Covid-19, sobem.

As bolsas dos EUA estão a prosseguir a trajetória de recuperação iniciada na semana anterior, apesar da volatilidade que continua instalada nos mercados de capitais. Os principais índices norte-americanos registam ganhos acima de 1%, numa sessão em que se antecipa de subidas e descidas, à medida que os investidores digerem as últimas notícias sobre o impacto do coronavírus na economia.

Depois de os futuros terem negociado em terreno misto, acompanhando o sentimento das principais praças europeias, Wall Street abriu a valorizar. O S&P 500 soma 1,17%, para 2.571,08 pontos, depois da valorização superior a 10% acumulada na semana passada. O industrial Dow Jones avança 1,01%, enquanto tecnológico Nasdaq ganha 1,26%.

A puxar pelos índices estão empresas como Amazon, Apple e Microsoft. A gigante fundada por Jeff Bezos recupera perto de 1,3%, para 1.924,71 dólares por ação, enquanto a fabricante do iPhone soma 1,76%, para 252,11 dólares. Já a tecnológica fundada por Bill Gates e liderada por Satya Nadella soma 3,31%, para 154,55 dólares cada título.

Também há destaques no setor farmacêutico, com a Abbott Labs a disparar 9,84% em bolsa, enquanto a Johnson & Johnson avança 3,91%, perante a notícia de que vai começar os testes de uma vacina para o novo coronavírus em humanos já a partir de setembro. Também efeito do novo coronavírus, as ações da Zoom Video continuam em forte alta: a empresa que gere um software de reuniões à distância soma mais 2,85%, numa altura em que uma parte significativa da população mundial ativa está em regime de teletrabalho.

A pandemia do coronavírus e as restrições que estão a ser impostas para a travar continuam a condicionar as negociações em Nova Iorque. Responsáveis da Casa Branca sinalizaram que as medidas para evitar a propagação da doença Covid-19, que implicam a quarentena e o encerramento de estabelecimentos não essenciais, poderão continuar em vigor por um longo período de tempo. Além disso, o presidente Donald Trump reforçou a recomendação de isolamento social à população, pelo menos por mais duas semanas.

Perante este sinal de que os EUA estarão dispostos a um prejuízo económico maior para travar um surto que já fez 2.500 vítimas no país, à semelhança de um largo conjunto de países da União Europeia, o preço do petróleo continua a cair face às expectativas de menor procura. O valor do barril de WTI chegou a cotar abaixo dos 20 dólares, estando agora a desvalorizar 6,37%, para 20,14 dólares, um mínimo de 2002.

Este deslize nos preços do petróleo está a castigar, sobretudo, as ações do setor petrolífero. A Chevron recua 1,57%, para 67,69 dólares, enquanto a perfuradora Exxon Mobil perde 1,65%, para 36,32 dólares.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera. Johnson&Johnson vai testar vacina e soma quase 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião