CTT vão enviar pensões para casa. Prazo para as levantar será maior

CTT vão alargar prazo para pagar pensões nas suas lojas. Vão reforçar ainda o serviço de pagamento de vales ao domicílio, permitindo que 100 mil pensionistas recebam os vales em casa gratuitamente.

Os CTT vão antecipar a emissão e o pagamento dos vales postais de pensões, faseando a sua distribuição pelos pensionistas durante oito dias, isto com o objetivo de minimizar o risco de maior afluência aos locais de pagamento.

Segundo adiantam os Correios, os vales vão ser emitidos no dia 1 de abril e vão ser distribuídos até 9 de abril. Durante este período, 34 lojas dos CTT vão estar a trabalhar com horários alargados, funcionando das 9h00 às 13h30 e das 14h30 às 17h30, para responder a uma eventual maior afluência. É possível consultar a lista das lojas com horários alargados no site dos correios.

A empresa assegura ainda que existe um loja ou posto de correio em cada município durante o período do pagamento das pensões.

Adicionalmente, os CTT vão reforçar também o serviço de pagamento de vales ao domicílio pelo carteiro, o que vai permitir que cerca de 100 mil dos 370 mil pensionistas que recebem mensalmente os vales não tenham de se deslocar para fazer o recebimento da sua pensão.

O serviço será disponibilizado gratuitamente aos pensionistas, sendo que o custo será assumido integralmente pelos Correios. Este serviço estará disponível “nas zonas do país onde têm uma maior capacidade operacional para realizar a entrega em casa”, disse a empresa em comunicado.

“É uma importante medida de mitigação, evitando a saída dos pensionistas do seu domicílio, que será levada a cabo pela rede de carteiros dos CTT, que se mantêm operacionais num espírito hercúleo de proximidade e serviço às populações”, frisa a empresa liderada por João Bento.

Os vales têm a validade de um mês, pelo que os pensionistas que não necessitem poderão não efetuar o levantamento nos primeiros dias. Além disso, os pensionistas podem pedir através da linha CTT a substituição do respetivo vale, por um novo período de 30 dias, fazendo a troca do mesmo numa loja dos correios.

Os CTT recordam também que os vales são um meio de pagamento endossável: com a assinatura do pensionista no verso do vale e fazendo-se acompanhar do documento de identificação do pensionista e da sua própria identificação é possível que um terceiro (familiar, cuidador, amigo) possa efetuar o levantamento do vale.

Os vales podem ser depositados na conta do próprio ou em conta de terceiros, sendo possível estes disponibilizarem as verbas aos pensionistas, mesmo que para isso tenham de aguardar a liquidez em conta, evitando a saída de casa destes cidadãos.

Devido ao surto do coronavírus, as lojas dos CTT mantêm o atendimento ao público mas à porta fechada, de forma a minimizar a permanência de muitos clientes no interior da loja, garantindo o distanciamento entre cada cliente. Apenas poderão permanecer na loja quem estiver a ser atendido, enquanto os restantes clientes terão de aguardar à porta em fila de espera.

O Ministério das Infraestruturas e da Habitação notificou a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) de que as juntas de freguesia onde se encontram instalados postos de CTT “podem abrir diariamente, ainda que de forma condicionada, entre as 9h e o 12h“.

(Notícia atualizada às 15h51 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT vão enviar pensões para casa. Prazo para as levantar será maior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião