Vendas da Huawei crescem 19% apesar do “boicote” dos EUA

  • Lusa e ECO
  • 31 Março 2020

Os lucros e as vendas da Huawei aumentaram em 2019, apesar dos obstáculos à empresa que foram levantados pela Casa Branca. Empresa admite agora um ambiente de negócios "mais complexo".

As vendas de telemóveis e outros produtos da Huawei subiram 19,1% no ano passado, apesar da ofensiva de Washington para boicotar o grupo chinês de telecomunicações, mas ressalvou que enfrenta agora um ambiente global “mais complexo”.

As vendas cresceram 19,1% em 2019, em relação a 2018, para mais de 858 mil milhões de yuan (cerca de 109 mil milhões de euros), informou a empresa. Os lucros do grupo chinês aumentaram também 5,6% para 62,7 mil milhões de yuan (mais de 8,0 mil milhões de euros), depois de terem aumentado 25% em 2018.

A empresa chinesa disse que as vendas de telemóveis aumentaram 15%, em 2019, para 240 milhões de unidades. Os negócios “permanecem sólidos”, apesar da “enorme pressão externa”, admitiu Eric Xu, um dos três presidentes rotativos do grupo, em comunicado.

Xu advertiu, no entanto, que o “ambiente externo” será “mais complicado daqui para frente”. Os Estados Unidos acusam a maior fabricante mundial de equipamentos para firmas de telecomunicações de cooperar com os serviços secretos chineses. A Casa Branca pôs o grupo chinês numa espécie de “lista negra” de entidades do Departamento de Comércio, o que implica que as empresas norte-americanas tenham de pedir licença para vender tecnologia à empresa.

A Huawei nega a acusação e as autoridades chinesas dizem que o Governo de Donald Trump está a usar leis de segurança nacional para restringir um rival que ameaça o domínio exercido pelas empresas de tecnologia dos EUA.

As sanções aprovadas pelo Presidente Donald Trump, em maio passado, caso sejam integralmente aplicadas, cortarão o acesso da Huawei à maioria dos componentes e tecnologia dos EUA.

Washington concedeu extensões nas licenças para exportação de alguns produtos, mas o fundador da Huawei, Ren Zhengfei, disse esperar que as barreiras sejam impostas integralmente. Os telemóveis da Huawei podem continuar a usar o sistema operacional Android, da Google, mas enfrentam desafios porque a empresa norte-americana está impedida de fornecer os seus serviços para modelos futuros do grupo chinês.

A Huawei está a desenvolver o seu próprio sistema operativo para substituir o do Google e diz que este sistema tinha já 400 milhões de usuários ativos em 170 países, no final de 2019. Para estabelecer o seu próprio ecossistema, a Huawei contratou programadores para criar aplicativos, um desafio num setor dominado pelos aplicativos baseados no Android e o iOS da Apple. Aliás, esta semana, lançou na Europa uma plataforma de música para concorrer com o Spotify e o Apple Music.

A Huawei também é, juntamente com a sueca Ericsson e a finlandesa Nokia, líder em redes de quinta geração (5G), destinada a conectar carros autónomos, fábricas automatizadas, equipamento médico e centrais elétricas. Os Estados Unidos têm pressionado vários países, incluindo Portugal, a excluírem a Huawei da construção de infraestruturas para redes de 5G, sendo que já é praticamente certo que a tecnologia da marca não vai fazer parte do “núcleo” das redes de quinta geração em Portugal.

Austrália, Nova Zelândia e Japão aderiram já aos apelos de Washington e restringiram a participação da Huawei. Em contrapartida, a marca, que diz pertencer a 104.572 de um total de 194.000 funcionários, todos cidadãos chineses, nega estar sob controlo do Partido Comunista Chinês, ou cooperar com os serviços de inteligência chineses.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas da Huawei crescem 19% apesar do “boicote” dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião