Empresas ajudam a angariar fundos para combater Covid-19

Empresas de vários setores estão a ajudar a angariar fundos para comprar material de proteção para os profissionais de saúde e ajudar os hospitais e centros de saúde a lutar contra a pandemia.

Da banca ao desporto, várias empresas portuguesas e não só estão a lançar campanhas de angariação de fundos para ajudar a recolher apoios para os hospitais, centros de saúde e até para os profissionais de saúde que combatem diariamente a pandemia do Covid-19.

Em Portugal, há 8.251 casos confirmados de Covid-19, que já provocou 187 mortes, de acordo com os dados divulgados pela Direção-Geral de Saúde esta quarta-feira. O novo coronavírus já causou mais de 42 mil mortes no mundo e há quase 873 mil infetados.

Ajudar a ajudar

A fintech britânica Revolut, aliou-se esta quarta-feira o movimento da Cruz Vermelha #EuAjudoQuemAjuda e lançou uma campanha de angariação de fundos para ajudar a combater a pandemia. Os utilizadores da Revolut podem fazer a doação através da app, no separador Painel > Donativos. É possível fazê-lo de três formas: donativo único, donativo recorrente ou ainda “arredondar os trocos” ou seja, será doado o restante do valor arredondado dos pagamentos efetuados através da aplicação. Não há um valor mínimo de doação e a Revolut não cobra taxas adicionais.

Para ajudar o comércio local, a Revolut Business aliou-se ao movimento We Support Business. Esta iniciativa permite a compra de vouchers para múltiplos serviços que poderão ser usados mais tarde. Até 30 de abril, a Revolut está a oferecer três meses de acesso gratuito aos serviços da Revolut Business, para isso precisa de se inscrever no site oficial.

Também a startup portuguesa Thidols lançou, esta quinta-feira, uma coleção de t-shirts que pretende homenagear os grupos de heróis da Covid-19. A empresa vai doar 20% do lucro das vendas à Cruz Vermelha Internacional para ajudar no combate à pandemia. Por agora, estão disponíveis duas versões — t-shirt branca, com imagem, e t-shirt preta, com lettering —, cada uma com o custo de 24,90€ ou as duas por 44,90€. Entre os homenageados estão “pessoal médico, trabalhadores de cadeias de alimentação e supermercados, cientistas, líderes mundiais, vizinhos, todos os que ficam em casa e todos os que não o podem fazer por terem de trabalhar”, explica a marca em comunicado.

O enólogo português António Maçanita associou-se ao movimento #EuAjudoQuemAjuda, da Cruz Vermelha, e anunciou que vai doar metade dos lucros das vendas ao movimento.

GoParity

A 17 de março, a plataforma GoParity lançou a campanha Stop Covid-19, através do movimento Tech4Covid19, com o objetivo inicial de angariar 100.000 euros para compra de equipamento de proteção pessoal para profissionais de saúde e outros equipamentos em falta nos centros de saúde e hospitais.

Com o objetivo inicial cumprido, a GoParity conseguiu comprar 58.168 máscaras e 2.168 viseiras. O segundo objetivo era chegar aos 85.000 euros e foi atingido esta quarta-feira. No total, participaram mais de 6 mil particulares e empresas que contribuíram para a compra de mais de 102 mil máscaras bico de pato, 6 mil máscaras comuns e mais de 2 mil viseiras. O valor total angariado pode ser acompanhado no site oficial.

Festival Iminente cria “edição de emergência”

O Iminente, o festival de música organizado pelo artista plástico Vhils, criou a “Emergency Edition”, uma edição em jeito de campanha de angariação de fundos. Todo o valor angariado será repartido pelo Centro Hospitalar e Universitário Lisboa Central e pelo Hospital Universitário de São João, no Porto. “Os fundos reverterão para a compra de equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde e de equipamento para alargamento da capacidade das Unidades de cuidados intensivos dos dois hospitais”, lê-se na plataforma Gofundme.

Este ano, o festival vai decorrer online, a partir da conta oficial de Instagram.

Futebol junta-se à angariação de fundos

Também o desporto, com maior expressão no futebol, está a direcionar fundos para apoiar o combate à pandemia. A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol lançou esta quarta-feira a campanha de angariação de fundos “Todos Dependemos de Todos”, para adquirir equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde. Os dados para a transferência de donativos estão disponíveis no site oficial da associação.

A 20 de março, os profissionais do Sport Lisboa e Benfica doaram um milhão de euros ao Serviço Nacional de Saúde, o que permitiu comprar 51 mil máscaras, 540 mil pares de luvas, 750 óculos especiais de proteção, 750 fatos térmicos e 200 termómetros infravermelhos, refere o clube na página oficial.

*Notícia atualizada a 2 de abril às 16h26 com mais informação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresas ajudam a angariar fundos para combater Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião