55+. Um caso sério de envelhecimento ativo

Fundada em Lisboa em 2019, a startup de impacto social permite a maiores de 55 anos poderem continuarem a ter uma vida ativa. Tudo através de uma plataforma humana com base tecnológica.

Elena Durán mudou-se para Lisboa para fazer um estágio no escritório da Unilever em 2009.Hugo Amaral/ECO

O ano de 2009 foi de mudança para a família Duran. Em Jaén, na Andaluzia, o pai de Elena reformava-se aos 60 anos. Na mesma altura, Elena mudava-se para Lisboa para fazer um estágio no escritório da Unilever na capital portuguesa depois de acabada a faculdade.

O que o pai da espanhola encarou como um passo natural do seu percurso, Elena e o irmão viram com preocupação. “Ele tinha uma vida super ativa, era diretor de uma escola pública em Espanha, uma pessoa que queria construir uma escola pública de vanguarda e muito mexido. Todas as crianças e pais adoravam-no. E ficámos com muito receio do que poderia acontecer: de repente parar, ficar sem esse ritmo, qual seria a sua vida? Ia ficar a fazer o quê? Excluído? Tínhamos muito receio de problemas físicos ou psíquicos que ele pudesse ter”, confidencia Elena, 36 anos, em conversa com a Pessoas.

O que foi uma preocupação rapidamente se transformou numa ideia de projeto. E se Elena pudesse ter impacto num projeto cujo principal foco fosse o envelhecimento ativo?

“Lembro-me de, uma vez, na rua, um senhor me ter dito que era um ‘javali’: que já tinha valido mas que agora não valia. Tendo toda a experiência e o tempo para dedicar a atividades, como podem estas pessoas pensar que valem pouco? Esse é o paradigma que se pretende mudar com a 55+”, detalha.

Foi aí, em 2009, recém-chegada a Lisboa, que Elena começou a pensar no projeto que daria origem à 55+, uma startup de impacto social que é uma “plataforma humana com base tecnológica, que regista pessoas com mais de 55 anos e que estejam inativas por desemprego, pela reforma ou pela pré-reforma, mas que querem continuar a estar ativas e a fazer algo de que gostam ou que já têm experiência nessas atividades, pelo que podem fazer serviços de qualidade a qualquer pessoas de qualquer idade e que precise desses serviços”, explica a empreendedora.

O modelo é simples: a plataforma conta com mais de 1.600 membros inscritos, por enquanto apenas na zona da grande Lisboa, que disponibilizam serviços nos quais são especialistas. A oferta é diversificada: pet sitting, babysitting, serviços de jardinagem, cozinha ao domicílio, reparações caseiras ou acompanhamento a idosos, entre muitos outros. Mas, além da oferta disponível, também a procura a molda: sempre que a 55+ recebe pedidos especiais que ainda não estão presentes na plataforma trata de encontrar o match perfeito para fazer corresponder à necessidade, uma solução.

A equipa da 55mais.Hugo Amaral/ECO

“Queria fazer algo em que eu sentisse que o meu esforço e o meu suor estavam a ter um impacto em algo em que eu acreditava. Queria tentar fazer isto: mais do que uma coisa minha, queria criar a 55+”, relata a empreendedora.

Depois de sair da Unilever, no final de 2017, Elena Duran começou a trabalhar mais afincadamente no projeto. Desde o primeiro momento, a 55+ contou com o apoio da Fundação Aga Khan e o primeiro investimento, que possibilitou a prova de conceito, veio da câmara municipal de Lisboa. A startup contou ainda com um lugar no programa de aceleração Rise, da Santa Casa da Misericórdia, que garantiu à 55+ um lugar na Casa do Impacto, onde está incubada.

“O envelhecimento da sociedade não deve ser visto como um problema mas como um privilégio: vivemos muitos mais anos de vida mas a verdade é que temos também muitos mais desafios. E muitas vezes temos pessoas com uma vitalidade e que não querem parar mas se calhar não querem fazer tudo o que faziam, apenas o seu hóbi. E continuar a mostrá-lo à comunidade, à sociedade. O desafio é que não existe muito esse mindset: parece que, de repente te reformas e já não vales”, alerta a responsável da 55+.

Com Elena, a trabalhar no projeto, estão outras duas pessoas a tempo inteiro. Mas a rede de prestadores de serviços conta com mais de 1.600 inscritos, todos com 55 anos ou mais. O modelo de negócio funciona com um preço pré-definido para cada serviço, a que acresce uma comissão na ordem dos 20%, entregue à startup de impacto. Também por isso, Elena aponta outros desafios. “Dependendo da fase da vida do projeto em que estás, há um desafio diferente. No início, era ter recursos financeiros para começar com o piloto; depois, encontrar formas de poder remunerar estas pessoas: muitas delas não querem abrir atividade nas Finanças. (…) Se houvesse um código para o envelhecimento ativo, que permitisse que as pessoas que colaboram connosco não se preocupassem com isso, haveria muito mais registos”, assinala. Por agora, os serviços são prestados mediante três métodos: recibos verdes, ato isolado e troca de serviços. A expansão geográfica é, de momento, a outra prioridade da 55+.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

55+. Um caso sério de envelhecimento ativo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião