Profissionais de saúde vão ter minutos, mensagens e dados móveis gratuitos

  • Lusa
  • 7 Abril 2020

As ofertas incluem um plafond extra de 10 mil minutos de voz para redes fixas e móveis nacionais, 10 mil mensagens escritas para redes móveis nacionais, e 10 gigabytes de dados de internet.

O Gabinete de Resposta Digital, o Ministério da Saúde, e as operadoras de telecomunicações, acordaram esta terça-feira a atribuição de benefícios a profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) envolvidos no combate à pandemia da covid-19, avançou esta terça-feira o Governo.

“O acordo surge depois de o Gabinete de Resposta Digital à covid-19, coordenado pelo Ministério da Economia e da Transição Digital, ter solicitado o apoio dos operadores de telecomunicações para encontrar soluções urgentes, que salvaguardem os consumos de comunicações eletrónicas por parte dos profissionais de saúde do SNS”, lê-se num comunicado divulgado pelo gabinete tutelado por Pedro Siza Vieira.

As operadoras Altice, NOS, Nowo e Vodafone assinaram este acordo de colaboração, que oferece aos profissionais de saúde, identificados pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), um ‘plafond’ extra de 10 mil minutos de voz para redes fixas e móveis nacionais, 10 mil mensagens escritas (SMS) para redes móveis nacionais, e 10 gigabytes (GB) de dados de internet.

Os benefícios vão ser associados aos tarifários de serviço telefónico móvel de cada profissional do SNS, independentemente da operadora, pelo período de 30 dias e vão ser renovados no primeiro dia de cada mês, enquanto se mantiver a pandemia, sublinhou o executivo.

E realçou: “A iniciativa responde a todos os profissionais de saúde que, diariamente, ajudam os portugueses a superar as consequências causadas pelo novo coronavírus, nomeadamente através do recurso à telesaúde”.

O Gabinete de Resposta Digital ao covid-19 foi criado com o objetivo de avaliar, implementar e informar sobre medidas de base digital, garantindo uma resposta agregada e coerente, recorrendo ao envolvimento dos agentes públicos e privados numa lógica de resposta integrada.

Integram o Gabinete de Resposta Digital à covid-19 representantes do gabinete do primeiro-ministro, das áreas governativas da Economia e Transição Digital, Infraestruturas e Habitação, Modernização do Estado e Administração Pública e Educação. Pela parte do Estado, estão ainda elementos da Direção-Geral da Saúde, Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, Agência para a Modernização Administrativa e Direção-Geral da Educação.

Do lado das operadoras de telecomunicações integram o Gabinete a Altice, a NOS, a Vodafone e a Associação do setor APRITEL. Fazem também parte do grupo empresas tecnológicas, como a AWS, CISCO, ESRI, Facebook, Google, Huawei, Microsoft, Netflix, entidades da Academia e representantes do setor social e associativo, como a VOST Portugal.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil. Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados. Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Profissionais de saúde vão ter minutos, mensagens e dados móveis gratuitos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião