Salários na gestão da Sonae sobem 10%. Líder Cláudia Azevedo ganha 812 mil euros

Dona do Continente viu os gastos com remunerações aos administradores aumentar em ano de transição de poder. Cláudia Azevedo, a nova CEO, recebeu pouco mais de 812 mil euros.

Em ano de transição de equipas, a Sonae viu os encargos com remunerações na comissão executiva subirem 9,3% em 2019, com a nova líder Cláudia Azevedo a auferir mais de 812 mil euros.

Paulo Azevedo saiu do cargo de presidente executivo da holding que detém a cadeia de hipermercados Continente depois de Cláudia Azevedo ter sido eleita em assembleia geral de acionistas para substituir o irmão a partir do dia 8 de maio do ano passado.

De acordo com o relatório de governo das sociedades, a Sonae gastou 1,5 milhões de euros em salários e outras remunerações variáveis com a comissão executiva no ano passado. Cláudia Azevedo recebeu 715,6 mil euros como CEO — aos quais se juntam ainda 96 mil euros por exercer funções noutra empresa do grupo. Total: 812 mil euros.

Entretanto, já em março deste ano, Cláudia Azevedo recebeu 186 mil euros do prémio de desempenho de relativo a 2016 — tem previsto receber até 2022 cerca de 526 mil euros em prémios por desempenho em anos anteriores.

O irmão Paulo Azevedo recebeu 208,8 mil euros como CEO, função que exerceu durante cerca de quatro meses. Recebeu ainda 214 mil euros como chairman, um cargo que passou a desempenhar depois disso, e mais 193 mil euros do prémio de desempenho relativo a 2015 (e pago em março de 2019). Total: cerca de 615 mil euros.

Relativamente aos prémios de desempenho por prestações em anos anteriores, Paulo Azevedo recebeu já 213 mil euros em março deste ano, de um total de 595 que irá receber até 2022.

As remunerações no conselho de administração da Sonae ascenderam a 644 mil euros.

A Sonae realiza a assembleia geral de acionistas no dia 30 de abril. Registou um lucro de 165 milhões de euros no ano passado, menos 20% do que em 2018, e vai propor o pagamento de um dividendo de 4,63 cêntimos por ação, um aumento de 5% face aos 4,41 cêntimos distribuídos no ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salários na gestão da Sonae sobem 10%. Líder Cláudia Azevedo ganha 812 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião