BCP avança 2% e mantém Lisboa no verde pelo terceiro dia

Bolsa de Lisboa conseguiu escapar ao sentimento negativo que imperou no resto das pares europeias, após o falhanço de um acordo entre os ministros das Finanças da Zona Euro.

Pelo terceiro dia, o verde imperou na bolsa de Lisboa, que conseguiu escapar ao sentimento negativo que imperou entre as restantes pares europeias. O PSI-20 encerrou em alta ligeira, suportado pelo avanço de 2% das ações do BCP e com a Jerónimo Martins a impedir um avanço mais acentuado.

O PSI-20 inverteu de sentido nas últimas negociações da sessão, acabando por terminar com uma subida ligeira de 0,05%, para os 4.071,37 pontos. Dos 18 títulos do índice de referência da praça nacional, dez fecharam em alta, seis em queda e dois ficaram inalterados: a REN nos 2,4 euros por ação e a Pharol nos 6,65 cêntimos.

A praça bolsista nacional escapou ao vermelho que inundou as restantes praças bolsistas do Velho Continente. O Stoxx 600, índice que agrega as 600 maiores capitalizações bolsistas europeias, recuou 0,16%. Já o alemão DAX caiu 0,3%, enquanto o francês CAC 40 e o espanhol IBEX 35 perderam 0,35% e 0,37%, respetivamente.

O recuo dos principais índices europeus acontece depois de os ministros das Finanças da Zona Euro não terem conseguido chegar a um acordo sobre a melhor forma de financiar a resposta à crise do coronavírus, revivendo velhas dúvidas sobre a viabilidade a longo prazo do Euro.

Por Lisboa, o BCP foi o o título que mais fôlego deu ao PSI-20. As ações do banco liderado por Miguel Maya valorizaram 1,86%, para os 9,85 cêntimos. Já a liderança dos ganhos coube à Mota-Engil, cujas ações somaram 4,5%, para os 1,3 euros. Seguiu-se os CTT com um avanço de 2,01%, para os 2,285 euros.

Banco liderado por Miguel Maya lidera ganhos no PSI-20

Em contraciclo, e a impedir um ganho mais acentuado para o índice lisboeta estiveram a Jerónimo Martins e a Galp Energia.

As ações da petrolífera caíram 0,55%, para os 9,97 euros, em reação aos dados da atividade no primeiro trimestre. A empresa aumentou a produção de petróleo, mas as margens afundaram perante a queda das cotações da matéria-prima. Anunciou ainda que, para responder à pandemia, está a cortar custos, reduzindo em 500 milhões por ano o plano de investimentos que tinha em marcha.

A Galp Energia não conseguiu, assim, acompanhar a subida das cotações do petróleo nos mercados internacionais. O preço do barril de brent, referência para as importações nacionais, subia 0,97%, para os 32,18 dólares.

Já as ações da retalhista foram as segundas mais penalizadas nesta sessão, sofrendo um deslize de 2,13%, para os 15,17 euros. Recuo do título acontece no dia em que foi conhecido que a Jerónimo Martins enviou uma carta aos senhorios das lojas Pingo Doce a pedir um perdão parcial no valor das rendas devido aos efeitos sofridos em resultado da crise do coronavírus, tal como o ECO avançou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP avança 2% e mantém Lisboa no verde pelo terceiro dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião