Dona do Pingo Doce pede desconto nas rendas das lojas por causa do vírus

Administração do Pingo Doce enviou cartas a senhorios onde tem lojas a pedir um corte nas rendas. Empresa diz que procurou "sensibilizá-los para as fortes limitações à utilização dos espaços".

A Jerónimo Martins está a contactar senhorios dos espaços onde tem instaladas algumas das suas lojas para lhes pedir uma redução parcial do valor das rendas durante a pandemia. “Revisão de rendas” é o assunto que surge no topo das cartas que a dona do Pingo Doce enviou a proprietários dos imóveis, explicando que na base deste pedido está a o “decréscimo significativo da atividade” em resultado das “fortes limitações à utilização dos espaços com que se debate”.

Numa das cartas a que o ECO teve acesso, datada de 3 de abril e assinada pela administração do Pingo Doce, a empresa lembra os senhorios dos “tempos de uma exigência sem precedentes” provocados pelo Covid-19. E também dá conta das diversas medidas que tiveram que ser adotadas pela empresa para se ajustar às implicações da declaração de estado de emergência, a 19 de março, entretanto prorrogada por mais 15 dias, até 17 de abril.

"Pingo Doce pediu aos senhorios que considerassem a possibilidade de, em conjunto, se analisar a viabilidade de uma revisão em baixa do valor da renda a aplicar enquanto durassem as restrições à circulação das pessoas na rua e nos estabelecimentos.”

Jerónimo Martins

Fonte oficial

O “Pingo Doce contactou os proprietários dos imóveis comerciais que tem arrendados para a sua operação no sentido de sensibilizá-los para as fortes limitações à utilização dos espaços com que se debate”, diz fonte oficial ao ECO, reconhecendo o envio destas cartas onde explica aos senhorios que o estado de emergência implicou uma redução da área comercial disponível, bem como a diminuição da respetiva taxa de ocupação, com a imposição de um limite de quatro pessoas por cada 100 m2. E que “aos horários reduzidos de abertura ao público juntou-se o encerramento pelo Pingo Doce das áreas de restauração e cafetaria”.

Foi perante este quadro que a Jerónimo Martins “pediu aos senhorios que considerassem a possibilidade de, em conjunto, se analisar a viabilidade de uma revisão em baixa do valor da renda a aplicar enquanto durassem as restrições à circulação das pessoas na rua e nos estabelecimentos”, diz a empresa. O ECO contactou a Sonae para perceber se está a fazer o mesmo, mas a dona do Continente não respondeu.

Na carta enviada aos senhorios, o Pingo Doce diz que em março tomou a decisão de “suspender temporariamente a cobrança de rendas aos seus inquilinos de espaços comerciais“, pedindo que em seu favor seja tomada uma medida semelhante. “Vimos, pelo presente, solicitar o V. Exas. que considerem também rever em baixa, durante o mês de abril, o valor das rendas e encargos devidos, com vencimento a partir do mês seguinte, pelo período que durarem os constrangimentos à livre circulação de pessoas nas vias públicas e nos estabelecimentos”, lê-se na missiva.

Pandemia está a ter impacto “significativo”

Desde o dia 1 de abril que os estabelecimentos, os serviços e as entidades que foram obrigados a fechar devido à pandemia deixaram de ter de pagar as rendas do espaço em que funcionam até um mês depois do fim do estado de emergência. Os supermercados não tiveram de encerrar, mas a Jerónimo Martins pediu aos senhorios um “desconto” na renda, justificando-o com o forte impacto que todos os constrangimentos resultantes do estado de emergência estão a ter no seu negócio.

“Estas medidas têm como consequência imediata um decréscimo significativo da atividade” do Pingo Doce, nota a empresa na carta enviada aos senhorios. Questionada pelo ECO sobre o impacto efetivo no negócio, a Jerónimo Martins não quis revelar dados.

Segundo a Nielsen, nas últimas semanas tem-se assistido a um crescimento das vendas nos super e hipermercados com as famílias a procurarem abastecer as despensas neste período em que se pede isolamento social para travar a propagação do vírus. As vendas cresceram 65% entre 9 e 15 de março e 7% na semana de 16 a 22 de março.

Mais dinheiro para os funcionários

Estas cartas a pedir uma redução do valor das rendas foram enviadas praticamente ao mesmo tempo que a empresa anunciou um aumento de 5% no prémio anual extraordinário que vai distribuir pelos colaboradores: são 500 euros a entregar a cada um dos seus 71.500 colaboradores em Portugal (num total de 21 mil), na Polónia e na Colômbia.

A decisão de aumentar os bónus aos funcionários tem por base os bons resultados alcançados no ano passado pela Jerónimo Martins: apresentou um crescimento dos lucros de 7,9% para 438 milhões de euros. Pedro Soares dos Santos, que em 2019 ganhou mais de dois milhões de euros, vai entregar 37,5 milhões aos colaboradores, mais 216,5 milhões de euros aos acionistas, valor esse cujo pagamento está dependente da realização da assembleia geral de acionistas, entretanto adiada por causa da pandemia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dona do Pingo Doce pede desconto nas rendas das lojas por causa do vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião