Com 1.600 trabalhadores em teletrabalho, Cuatrecasas criou uma “Task Force Coronavírus”

A Cuatrecasas colocou os 1.600 trabalhadores em regime teletrabalho, face ao Covid-19. A managing partner está ciente do impacto "incontornável" que a pandemia pode vir a ter no setor da advocacia.

Com a pandemia Covid-19 sem dar tréguas, as empresas adotaram o regime do teletrabalho de forma a protegerem os seus trabalhadores. Tal como a PLMJ, VdA e SRS, a sociedade de advogados Cuatrecasas também adotou este mecanismo, desde o dia 13 de março, à exceção de profissionais que asseguram “serviços mínimos estritamente necessários, como a segurança e manutenção das instalações, receção, digitalização e reenvio para os destinatários de correio”.

Entrevistada para a rubrica diária do ECO, Gestores em teletrabalho, Maria João Ricou, managing partner da sociedade de advogados Cuatrecasas, afirma estar a trabalhar a partir de casa, tal “como todos os outros sócios, associados e demais colaboradores da Cuatrecasas, num total de cerca de 1.600 pessoas espalhadas pelas várias jurisdições onde temos escritórios”.

A managing partner garantiu que a sociedade adotou o teletrabalho com caráter obrigatório para todos, por entenderem ser necessário para proteger a saúde de toda a firma. “Esta decisão foi precedida duma fase preparatória e de testes de forma a assegurar a adequada operacionalização do teletrabalho em todos os nossos escritórios a nível global e garantir que a transição não envolvia qualquer tipo de disrupção operacional”, assegura Maria João Ricou.

Com toda a estrutura societária a funcionar com “normalidade”, ainda assim a situação provocou uma alteração da rotina de trabalho. “Desde logo porque estamos a funcionar num paradigma virtual que não comporta deslocações nem reuniões presenciais. Há, por esta via, uma economia de tempo com um inerente ganho de eficiência mas o horário e ritmo de trabalho mantém-se“, nota.

Perante este cenário de incerteza e instabilidade que o país e o mundo estão a atravessar, Maria João Ricou está ciente do impacto “incontornável” no setor da advocacia. Ainda assim, acredita ser demasiado cedo para fazer previsões.

É, no entanto, cedo para estimar esse impacto e o maior ou menor reflexo que terá nos resultados, dado que nesta fase há ainda demasiadas incógnitas quer sobre a duração da pandemia e a destruição que as medidas sanitárias irão causar na economia, quer sobre a eficácia das medidas a adotar para promover a recuperação económica”, acrescenta a managing partner.

Foco nos clientes apesar da pandemia

A Cuatrecasas garante que a sociedade de advogados está 100% focada nos clientes, dando o “máximo de apoio” e o “melhor contributo” na resolução dos mais variados problemas. “Estamos cientes de que mais do que nunca necessitam do nosso apoio e é essa a nossa prioridade“, reforça Maria João Ricou.

Em plena pandemia Covid-19, vários são os pedidos de consulta por parte de empresas de todos os setores da economia que chegam diariamente à sociedade, mas não só. Segundo a managing partner, a Cuatrecasas tem recebido também vários pedidos de organismos públicos que procuram respostas, particularmente, sobre as medidas aprovadas e a aprovar.

“São questões complexas decorrentes duma situação inédita e criámos uma equipa interdisciplinar – a Task Force Coronavírus com o objetivo de dar respostas completas e esclarecedoras sobre todas essas matérias com a maior celeridade possível, qualquer que seja a área de especialidade jurídica ou setorial”, explica a advogada.

Sob a coordenação do sócio Miguel de Almada, a equipa interdisciplinar coloca à disposição dos clientes sínteses legislativas, análises de impacto e coordena as respostas às numerosas solicitações em relação às implicações da epidemia de coronavírus e às medidas aprovadas (e a aprovar) para lhe fazer face.

A Task-Force Coronavírus da Cuatrecasas em Portugal integra advogados das áreas de financeiro, fiscal, imobiliário, laboral, público, litígios e arbitragem, saúde, societário e M&A, bem como da área de conhecimento e inovação.

A Cuatrecasas é uma sociedade de advogados com sede em Portugal e em Espanha e com presença internacional em mais de dez países. A firma conta com experiência em todas as áreas do direito empresarial e com uma equipa multidisciplinar e diversificada de mais de 1.000 advogados e 24 nacionalidades.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com 1.600 trabalhadores em teletrabalho, Cuatrecasas criou uma “Task Force Coronavírus”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião